Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

Azul

A Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados enviou uma carta-compromisso aos 13 candidatos à Presidência da República com propostas para dinamizar o setor. O documento sugere aos presidenciáveis que se comprometam a adotar medidas para que o Brasil se torne uma potência turística em escala global.

O presidente do colegiado, deputado Rafael Motta (PSB-RN), defende pontos como a ampliação dos vistos eletrônicos, o apoio às atividades econômicas ligadas ao turismo (como hotelaria e receptivos) e investimentos em rodovias e na malha aérea.

“A questão dos vistos eletrônicos é uma experiência exitosa e que facilitou a atração de turistas em países como Estados Unidos e Japão”, disse Motta.

“Outra questão estrutural, na qual não temos tido a atenção ao longo dos anos, são as rodovias e a malha aérea. Também foi feita a cobrança da bagagem aérea, mas infelizmente as passagens continuam caras”, declarou.

Segundo o deputado, a elevada carga tributária, os encargos trabalhistas e a concorrência desleal são outros gargalos do setor de turismo que precisam ser superados.

 

Segurança pública

Outro foco da carta é a segurança pública, sobretudo nas cidades litorâneas, que atraem grande parte dos turistas brasileiros e estrangeiros no País. O presidente da Comissão de Turismo da Câmara sugere a qualificação de jovens infratores dessas cidades para que possam trabalhar no setor de turismo.

“Diante de cenas que vemos diuturnamente na TV em relação a jovens que praticam furto, assalto e arrastões nas praias, a nossa ideia é sensibilizar os candidatos para que esses jovens possam ser um agente de turismo”, disse Rafael Motta. “Não é única e exclusivamente fazendo a intervenção militar ou colocando mais efetivo da Força Nacional que se vai resolver a questão da violência urbana”, afirmou.

A carta-compromisso prevê a elaboração de políticas públicas de qualificação de mão de obra especializada, voltada sobretudo para trabalhadores jovens e de menor instrução. Com cursos específicos, inclusive de idiomas, eles seriam treinados principalmente para atividades receptivas e de guias de turismo.

 

Ecoturismo
O documento da Comissão de Turismo prevê ainda o fortalecimento do papel das unidades de conservação ambiental como destinos turísticos.

Os parques nacionais brasileiros receberam cerca de 8 milhões de visitantes em 2017, volume muito baixo quando comparado, por exemplo, ao de apenas uma dessas unidades nos Estados Unidos.

 

Geração de empregos
Para o deputado Rafael Motta, o turismo também é um dos principais aliados para o Brasil superar a atual crise de emprego.

“Nós temos quase 13 milhões de desempregados no País, e o turismo tem condições de absorver essa mão de obra, desde que tenha uma atenção específica. Vejam só: nós somos responsáveis por menos de 1% do fluxo mundial de turistas. Somos a sexta potência turística mundial no que diz respeito ao turismo cultural e a primeira, por ser um país continental, no que diz respeito ao potencial turístico natural”, disse o parlamentar.

No início do ano, o governo federal lançou um plano nacional de turismo com a meta de criar 2 milhões de postos de trabalho no setor até o ano 2022. Em 2017, o Brasil recebeu 6,5 milhões de turistas estrangeiros, 42 mil a mais do que em 2016.

Mesmo com potencial subaproveitado, o turismo respondeu por quase 8% do Produto Interno Bruto (PIB) e 7 milhões de postos de trabalho no País em 2017.

 

Sugestões
A carta-compromisso enviada aos presidenciáveis contém os seguintes pontos:

  • adotar medidas para que o Brasil comece a avançar no sentido de se tornar uma potência turística em escala global;
  • reduzir a burocracia na concessão de vistos para os principais países emissores turísticos;
  • implementar ações de segurança pública, visando à proteção do turista;
  • adotar medidas de apoio à hotelaria brasileira;
  • promover a recuperação e a expansão da infraestrutura de transportes em suas diversas dimensões – rodoviária, ferroviária, aquaviária e aeroviária –, da infraestrutura de telecomunicações e dos serviços de saneamento básico;
  • elaborar e implementar políticas públicas de qualificação de mão de obra especializada, especialmente no segmento de trabalhadores jovens e de menor instrução;
  • expandir e fortalecer o papel das unidades de conservação brasileiras como destinos turísticos.

 

Via – Agência Câmara

DEIXE UMA RESPOSTA