Em maio deste ano a Avianca Brasil encerrou suas operações, deixando assim de participar do mercado doméstico brasileiro de aviação.

Com uma dívida de R$ 3 bilhões, no ato de encerramento das suas operações, a companhia encarou seus últimos meses com muitos problemas judiciais e ameaça de retomada das aeronaves pela empresa de leasing.

Mas, boa parte dessa dívida de German Efromovich, proprietário do Grupo Synergy acionista da Avianca Brasil e Holdings, declarou que em nenhum momento buscou um empréstimo para “segurar” a situação da Avianca Brasil.

Continua depois do anúncio

De acordo com Efromovich, que recentemente concedeu uma entrevista para o Jornal EL TIEMPO, o empréstimo de aproximadamente US$ 470 milhões, que poderia resolver as dívidas da Avianca Brasil e Holdings no início da crise, foi direcionado para pagar dívidas da sua empresa EISA na área de Petróleo.

Na época, no 4º trimestre de 2018, a intenção era pagar as dívidas com o fundo abutre, como forma de evitar problemas com a penhora das suas empresas, porém, Efromovich pegou esse empréstimo através da United, e colocou como garantia suas ações na Avianca Holdings.

Enquanto o empréstimo de US$ 470 milhões foi através da United, nos meses seguintes a dívida de German Efromovich com o fundo Elliot que teoricamente foi paga com o empréstimo da United, cresceu de forma exponencial, visto os altos juros do empréstimo de alto risco.

Continua depois do anúncio

Curiosamente, nos últimos meses German Efromovich tentou comprar parte da Alitalia e ainda está tentando comprar parte da incapacitada Jet Airways, todas por cerca de US$ 400 milhões. Efromovich afirma ter dinheiro a vista para realizar essa compra, mas não aponta de onde esse dinheiro será retirado.

 

Confira a entrevista realizada pelo Portal El Tiempo na íntegra abaixo:

Quais foram os termos do pagamento de crédito?

Continua depois do anúncio

O prazo a pagar era de 8 anos, com 3 anos de graça em pagamentos de capital.

Que compromisso havia, se você não pagou em que parcelas?

Se você toma um empréstimo para comprar uma casa, você a dá como garantia; Se você não pagar o empréstimo nos termos do contrato, o banco pegará sua casa. Este não é o nosso caso, como não houve inadimplência econômica, a dívida não foi paga, houve uma inadimplência técnica.

Continua depois do anúncio

O que significa inadimplência técnica?

Como a garantia era as ações, e as ações têm um valor flutuante na bolsa de valores, há uma cláusula no contrato que, se o valor das ações sob garantia fosse menor que uma razão para o valor da dívida, a United teria o direito de assumir a administração da empresa e posteriormente vender as ações, dadas em garantia, para recuperar seu crédito.

Então, a United terá que vender suas ações para salvar sua dívida?

Continua depois do anúncio

Sim, senhor: o contrato assim determina. Além disso, entendemos que eles podem ter certas restrições para controlar uma empresa fora dos Estados Unidos. Estou preocupado com a implementação de certas transações sob a forma de empréstimos à Avianca, pela United e Kingsland, o que pode levar a uma diluição dos atuais acionistas.

Ou seja: suas ações na Avianca serão vendidas?

Se a Synergy não pagar a dívida integralmente, isso deve ocorrer sem dúvida. O que geralmente acontece é que o juiz do caso coloca as ações em leilão. É muito provável que isso possa acontecer.

Então, você vai perder todas as ações que teve da Avianca?

Se eu não conseguir os recursos para pagar a dívida, haverá o leilão. Com essa venda, a Synergy pagaria sua dívida e sairia do negócio. Não é fácil essa decisão.

Ou seja, você perderá completamente a propriedade majoritária da Avianca?

Sim senhor.

Quando você vai leiloar suas ações e ser comprado por qualquer pessoa, quem será o próximo proprietário da Avianca?

Apesar de respeitarmos totalmente as restrições impostas pelo Tribunal de Nova York, no sentido de não intervir em nenhuma decisão que o governo da Avianca esteja tomando, estou preocupado com a implementação de certas transações na forma de empréstimos à Avianca, da United e Kingsland (empresa de Roberto Kriete, novo presidente do conselho de administração) que podem levar a uma diluição dos atuais acionistas, mesmo antes da realização do leilão.

Isso teria como consequência que, no momento do leilão das ações da Synergy, isso não era mais feito com o prêmio de controle, gerando novamente danos.

Você sabe quem vai intervir nesse leilão?

Em teoria, qualquer pessoa pode intervir no leilão. O que acontece é que algumas empresas não podem controlar diretamente a maioria das empresas no exterior, mas podem ter interesse em comprar. Entendo que a Delta comprou uma porcentagem significativa sem estar no controle da AeroMéxico e se fala em um possível investimento na América Latina.

A United poderia comprar a Avianca, adquirindo suas ações?

Bem, existem as restrições que eu mencionei.

E a Kingsland?

Kingsland é da família Kriete, controlada, dirigida e gerenciada por Roberto Kriete. Não tenho dúvida de que eles estariam interessados ​​em intervir. Procuramos garantir que essa intervenção seja justa, transparente e independente.

Você tem dúvidas sobre esse comportamento?

É uma pena que o Sr. Kriete tenha iniciado sua intervenção através da divulgação de declarações incorretas, como a falência da empresa, que, objetivamente, resultou em um declínio nas ações negociadas. Isso pode ser interpretado como uma manipulação para diminuir o preço do leilão.

Você processou o Sr. Kriete por pânico econômico. Se o juiz falhar, evidentemente, foi um pânico econômico, o que pode acontecer?

É um crime que deve ser sancionado de acordo com o direito penal colombiano.

Enfim, o que quer que falhe, você está condenado a vender suas ações?

Muito provavelmente elas serão vendidos. É claro que o juiz deve permitir que a United faça a conversão de posse deles. Nosso objetivo, respeitando estritamente as decisões e restrições impostas pelo tribunal de Nova York, é usar todos os meios legais à nossa disposição, para garantir que o leilão seja conduzido da maneira mais ampla, transparente e independente possível.

Quero enfatizar que não procuramos impedir a United de recuperar seu crédito, mas queremos buscar a sobrevivência saudável de nossa Avianca.