Embraer E175-E2
Foto - Divulgação

A Embraer atrasou novamente a entrada em serviço do E175-E2 em um ano, até 2024. A empresa continuará seus esforços para a certificação do avião, que até o momento não tem concorrentes no mercado.

“Dadas as atuais condições do mercado para a aviação comercial como resultado da pandemia Covid-19, a Embraer remarcou o início das operações do jato E175-E2 em um ano, para 2024”, disse a Embraer durante a divulgação de resultados nesta quinta-feira (29).

A Embraer diz que tomou a decisão com base nas condições atuais do mercado de aeronaves comerciais. O E175-E2 também não acumula nenhuma encomenda neste momento, e a fabricante desenvolve mirando um mercado de substituição do E175-E1.

Enquanto isso, a Embraer diz que continuará fornecendo o E175-E1 para os seus clientes, avião que ainda faz muito sucesso no mercado.

Embraer

A alteração de prazos é analisada com cuidado por analistas. A Embraer aguarda a mudança das cláusulas de incentivo à aviação regional dos EUA, para assim vender mais facilmente o E175-E2.

Os E170 e E175 de primeira geração não excediam esse limite do incentivo de aviação regional dos EUA. Com os E175-E2 que são equipados com motores Pratt & Whitney PW1700G, mais pesados e maiores em comparação com os CF34, o E175-E2 estão até 12000 libras acima do peso máximo de decolagem permitido, de 39000 kg (86000 lbs).

O avião fez seu primeiro voo no final de 2019, com programação para estar certificado até 2021. Apesar de tudo, a Embraer continua trabalhando na certificação do E175-E2 junto à ANAC.

Em comparação ao E175 de primeira geração, o E175-E2 possui uma fileira adicional de assentos, podendo ser configurado com 80 assentos em duas classes ou até 90 em classe única. O avião promete consumir até 16% a menos em combustível e ter uma diminuição de 25% nos custos de manutenção por assento em comparação ao atual E175.