Embraer
Foto: Embraer

Há poucos anos a Embraer esperava fazer uma fusão que diminuiria o tamanho da empresa, ao repassar 80% da área de aviões comerciais para a Boeing. Contudo, neste momento a Embraer parece ir em outro rumo, e crescer de tamanho.

Na quarta-feira (1º/06) dessa semana, Michael Amalfitano, CEO da Embraer Executive Jets, declarou que a empresa está avaliando novas fusões e aquisições no seu segmento, principalmente vendo oportunidades nos EUA e Europa.

O foco da Embraer é aumentar a sua participação nesses mercados, complementando com o crescimento da divisão de serviços, que apoia os clientes que utilizam aviões da Embraer, além de ter uma perspectiva de receita de até 2 bilhões de dólares para 2026.

Amalfitano não explicou durante o evento qual o planejamento da Embraer para a sua expansão, e nem declarou quais fabricantes poderão se fundir com a empresa brasileira futuramente.

A Embraer atingiu recentemente um marco histórico com o anúncio de que os jatos da série Phenom 300 se tornaram os modelos da categoria mais vendidos do mundo pelo décimo ano consecutivo e o bimotor a jato mais entregue de 2021, segundo números divulgados pela General Aviation Manufacturers Association (GAMA), associação que reúne fabricantes do setor.

A Embraer também realizou nos últimos meses melhorias no programa de manutenção dos jatos executivos Legacy 600, Legacy 650 e Lineage 1000. O foco foi diminuir o custo de operação dessas aeronaves, que já deixaram de ser produzidas. 

 

Com informações de Forbes/Reuters.