F-35 EUA dinheiro
Apesar da inflação, Lockheed diz que o preço do F-35 diminuiu.

A Lockheed Martin e o Departamento de Defesa dos EUA chegaram a um acordo inicial para a compra de mais três lotes de caças stealth F-35 Lightning II, cerca 375 aeronaves. O acordo servirá de base para um contrato formal entre as duas partes, que será assinado posteriormente. 

“Temos o prazer de anunciar que o Departamento e a Lockheed Martin chegaram a um acordo de aperto de mão para a compra do próximo lote do F-35 com base em 375 aeronaves”, disse William LaPlante, principal comprador de armas do Pentágono, em comunicado.

F-35 Elephant Walk hill
Caças F-35A Lightning II durante uma manobra Elephant Walk na Base Aérea de Hill em 2020. Foto: USAF.

A compra é avaliada em US$ 30 bilhões, mas o preço final e a quantidade exata de aviões ainda serão definidas. LaPlante disse que o acordo pode ser alterado pelo Congresso no orçamento para o Ano Fiscal de 2023, ou por encomendas de parceiros internacionais, como a Grécia, que anunciou recentemente a compra futura do modelo.

Conforme observado pela Reuters, o acordo acontece em meio à expectativas de que a versão mais comum do caça, a variante F-35A, fique mais cara por conta inflação e produção mais lenta.

Lockheed Martin F-35A Lightning II.
Lockheed Martin F-35A Lightning II.

Por outro lado, a Lockheed Martin disse que os avião estão mais baratos. Em meio aos impactos contínuos do COVID-19 e à diminuição das quantidades de F-35, a empresa F-35 conseguiu atingir um custo por jato menor do que as tendências recordes de inflação”, disse Laura Siebert, porta-voz da fabricante, ao portal Defense News

O último contrato de aquisição dos EUA para o F-35 foi do Lote 14, assinado em 2019. Na ocasião, o preço das três variantes foi reduzido. O F-35A convencional caiu de US$ 80 milhões pra US$ 77,9 milhões por unidade. O F-35B de pouso e decolagem vertical e o F-35C naval foram adquiridos por US$ 101,3 milhões e US$ 94,4 milhões, respectivamente. 

F-35 C F/A-18 vinson
Caça F-35C Lightning II do esquadrão VFA-147 Argonauts é rebocado pelo convés do USS Carl Vinson. Foto: US Navy.

O novo acordo cobre os lotes 15, 16 e 17 do F-35. Segundo a Lockheed, ele também inclui o hardware para as atualizações mais recentes, chamadas de Block 4. Nesta versão, o F-35 recebe aprimoramentos nas suas capacidades de reconhecimento, guerra eletrônica, furtividade e outros, bem como um aumento da capacidade de armas. 

Segundo a Lockheed, 800 aviões já foram entregues para os EUA e parceiros pelo mundo. Canadá, Alemanha, Finlândia e Grécia são os clientes mais recentes do F-35. Ao mesmo tempo, Tailândia e República Tcheca devem solicitar a compra do jato “invisível aos radares”.