Caça F-35A turco- Foto: Lockheed Martin

Se antes da chegada do sistema de mísseis russos a Turquia já houvesse discussões dos EUA em tirar a Turquia do programa F-35, após a chegada dos equipamentos à Ancara, na sexta-feira passada, isso veio à tona nesta semana.

A decisão da Turquia de comprar os sistemas de defesa antiaérea russa S-400 torna impossível seu envolvimento contínuo com o F-35″, diz o comunicado da Casa Branca. “O F-35 não pode coexistir com uma plataforma de coleta de inteligência russa que será usada para aprender sobre suas capacidades avançadas.”, foi dito por um porta-voz do Departamento de Estado.

Sistema S-400 sendo retirado de um IL-76- Foto: Ministério da Defesa da Turquia

Além disso o porta-voz, Morgan Ortagus, disse que sanções estariam sendo preparadas para a Turquia devido a compra dos sistema S-400.

“No que diz respeito a quais opções de sanções serão escolhidas, não visualizamos essas sanções antecipadamente”, disse, Ortagus.

Por algum motivo os norte-americanos temem que em um mesmo espaço se tenha o sistema de mísseis S-400 e os caças F-35A.

Sistema de Defesa S-400- Foto: Forças Armadas Russas

A Turquia já tinha pronto dois F-35A nos EUA, e já estava investindo dinheiro para receber os caças, inclusive mandado pilotos aos EUA para o curso de formação. Ao todo o custo seria de quase 1 bilhão. Além disso a Turquia faria parte do Programa F-35 que possibilita o trabalho de produção do caça em conjunto com a Lockheed Martin, essa possiblidade é viável apenas aos países que estão inclusos no Programa que por sua vez são membros da OTAN.

Bem, mesmo que esteja tendo essa situação tensa entre os EUA e a Turquia, a porta de comércio entre as duas nações ainda está aberta, até mesmo que a nação representa uma importante questão geopolítica para os EUA, bem como para os países membros da OTAN.

F-35A Turcos voando nos EUA – Foto: (Kazuhiro Nogi / AFP via Getty Images)

“A Turquia tem sido um parceiro de longa data e confiável e Aliança da OTAN há mais de 65 anos, mas aceitar o S-400 mina os compromissos que todos os Aliados da OTAN fizeram para se afastar dos sistemas russos”, continuou, Ortagus.

Fonte de apoio: Defense News / Edição: Aeroflap