C-130J Super Hercules- Foto: Lockheed Martin

A declaração da Agência de Cooperação em Segurança de Defesa (DSCA) segue o anúncio de Wellington em junho de que favorecia o tipo construído nos EUA para substituir seus cinco C-130Hs e que solicitaria informações de preços a Washington. Ao todo seriam cinco unidades do C-130J 

Além da aeronave, o pacote inclui uma ampla gama de equipamentos e serviços relacionados à aquisição. O preço incluindo tudo ficaria por US$ 1,4 bilhão.

“Essa venda proposta fornecerá a capacidade de apoiar operações de coalizão nacional, das Nações Unidas e outras”, diz o DSCA.

“Essa compra também inclui sensores e melhorias de desempenho que ajudarão a Nova Zelândia durante extensa vigilância e reconhecimento marítimo, além de melhorar sua capacidade de busca e resgate. Além disso, a capacidade de carga extra e o desempenho da aeronave aumentarão bastante as capacidades da missão antártica da Nova Zelândia e, simultaneamente, aumentarão as margens de segurança. ”

Os dados das frotas Cirium mostram que os cinco C-130H da Força Aérea da Nova Zelândia têm idade média de 53,2 anos. O governo disse que a manutenção da frota é cada vez mais desafiadora.

Dois outros tipos estavam em disputa pelo requisito, o Airbus A400M e o Embraer KC-390, que foi recentemente redesignado como C-390.

Esta não é a primeira vez que Wellington seleciona o C-130J. Em 1995, retirou opções de cinco C-130Js, mas as cancelou em 2002 em favor da atualização dos C-130Hs.

 

Fonte: Flight Global

DEIXE UMA RESPOSTA