KC-390 embraer ala 2 fab Aviação de Transporte
Foto: Sgt. Bianca Viol/FAB.

Ela é responsável por integrar o território nacional, com conexões, muitas vezes, em todo o mundo. Cumpre missões de transporte de cargas, transfere doentes e feridos que necessitam de atendimento urgente, ajuda no combate a incêndios florestais e está sempre alerta para ser engajada na defesa do território nacional.

Recentemente, foi fundamental para as operações Repatriação e COVID-19. No cotidiano, no entanto, atua em diversas outras missões. O dia 12 de junho é dedicado a ela: a Aviação de Transporte. A data lembra uma de suas mais célebres missões: o Correio Aéreo Nacional (CAN).

Nesse dia, em 1931, os Tenentes Nelson Freire Lavenére Wanderley e Casimiro Montenegro Filho realizaram aquele que foi considerado o primeiro voo do CAN da história. A bordo de um Curtiss Fledgling K-263, saíram do Rio de Janeiro (RJ) e levaram um malote com duas cartas até São Paulo (SP).

FAB CAN Aviação de Transporte
Curtiss Fledgling J-2 K-263. Foto: Tenente Enilton/FAB.

Assim, 91 anos depois, a Aviação de Transporte segue ainda mais estratégica para a FAB e para o Brasil devido ao seu papel, pois abrange missões de assalto aeroterrestre, busca e salvamento, evacuação aeromédica, reabastecimento em voo, combate a incêndio, exfiltração e infiltração aérea.

Ao todo, a FAB conta com 13 Unidades Aéreas que atuam nessa área, sediadas em Manaus (AM), Belém (PA), Parnamirim (RN), Rio de Janeiro (RJ), Canoas (RS), Campo Grande (MS), Anápolis (GO) e Brasília (DF).

C-95 FAB Santa Cruz
Aeronaves C-95M Bandeirante do 3º ETA sobrevoando a Base Aérea de Santa Cruz. Foto: FAB/Divulgação.

Para as missões, os esquadrões utilizam as aeronaves KC-390 Millennium, C-130 Hércules, C-105 Amazonas, C-99, C-97 Brasília, C-98 Caravan, C-95 Bandeirante, U-100 Phenom e, em um futuro próximo, o KC-30.

Esquadrão Gordo mais operacional

Em março de 2022, o Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1º/1º GT) recebeu as duas primeiras aeronaves KC-390 Millennium.

Na oportunidade, o Comandante do Comando de Preparo, Tenente-Brigadeiro do Ar Sergio Roberto de Almeida, destacou que o recebimento dos cargueiros pelo Esquadrão Gordo é uma nova fase da implantação do KC-390 na FAB.

FAB/Divulgação.

“Esse projeto começou sendo implantado em Anápolis e, hoje, já se encontra em operação no Rio de Janeiro, o berço da Aviação de Transporte. Assim, a Unidade pode colocar em prática tudo o que aprendeu nos diversos anos de operação com o C-130, cada vez sendo mais eficiente”, pontuou.

Operação Repatriação

Eficiência e versatilidade são duas das palavras que definem bem o KC-390. Devido a essa versatilidade, o maior avião militar multimissão do hemisfério sul foi escolhido para repatriar os brasileiros que saíram da Ucrânia por causa da guerra.

KC-390 FAB UCRÂNIA
Foto: Gabriel Benevides – Aeroflap.

“Na ida para Varsóvia, na Polônia, onde os passageiros embarcaram, a aeronave levou cerca de 12 toneladas de donativos em ajuda humanitária ao país europeu. Desembarcada a carga, o espaço foi reconfigurado para oferecer um banheiro extra, refeições e condições suficientes para todos voltarem ao Brasil com o máximo conforto possível”, explicou o comandante da aeronave na missão, Major Aviador Anderson Dias Santiago.

Aquisição de dois KC-30

Visando um salto ainda maior na operação da Aviação de Transporte, a FAB assinou no dia 18 de abril, o contrato referente à aquisição de duas aeronaves modelo A330-200 (KC-30), compatíveis com a versão militar A330 MRTT (do inglês Multi-Role Tanker Transport).

Airbus A330 MRTT FAB Notícias Aviação Força Aérea Brasileira

A empresa Azul S.A. foi declarada vencedora por atender a todos os requisitos do certame, apresentando uma oferta de R$ 375 milhões de reais, na cotação atual. A aquisição tem como objetivo suprir as carências operacionais da FAB em ações estratégicas, como Reabastecimento em Voo (REVO), Transporte Aéreo Logístico (de cargas e passageiros) e Ajuda Humanitária.

 

Em situações de calamidade pública, como desastres naturais, pandemias ou emergências médicas, o avião pode, também, realizar missões de Evacuação Aeromédica (EVAM) de grande número de pacientes.

Imagem: FAB.

Um vetor multimissão estratégico de transporte e REVO se caracteriza por ser capaz de transportar passageiros, em uma cabine comercial convencional, e um grande volume de carga nos porões, em voos de longo curso. A mesma cabine pode ser reconfigurada rapidamente para cumprir missões de evacuação aeromédica, ou seja, moldar-se de acordo com as necessidades operacionais, com grande flexibilidade.

Assim, com a junção das potencialidades operacionais das  aeronaves que já estão em atuação e das que serão incorporadas em breve aos esquadrões, a FAB garante, ainda mais efetivamente, a manutenção da soberania do espaço aéreo e integração do território nacional, com vistas à defesa da pátria.

Via Força Aérea Brasileira