EMBRAER STOUT FAB
Imagem: Embraer/Ministério da Defesa/Divulgação.

Nos últimos anos, a FAB e Embraer anunciaram memorandos de entendimento (MoU) para dois estudos de projetos de aeronaves: o STOUT, um cargueiro híbrido para substituir o C-95 Bandeirante e o C-97 Brasília, e uma aeronave de combate não tripulada (UCAV). 

Mas em um evento na segunda-feira desta semana, realizado pela Força Aérea Brasileira com a presença de jornalistas, o comandante da instituição, Tenente-Brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Jr, declarou que a FAB precisará priorizar alguns projetos, e aguardar o investimento em outros.

Baptista Jr. revelou que a Embraer já foi informada que, dentro de 60 dias, os dois memorandos de entendimento serão “denunciados”, ou seja, cancelados.

“Chegamos a conclusão que não estarão tão cedo nas nossas prioridades e não queremos dar uma falsa de esperança de que temos recursos para colocar no desenvolvimento destes projetos”, explicou o Brigadeiro, apontando que os estudos estão sendo encerrados pela FAB. 

O STOUT deveria ter as seguintes características, de acordo com informações lançadas anteriormente:

  • O futuro STOUT (nome da aeronave em desenvolvimento) tem as dimensões equivalentes ao do C-97 Brasília;
  • Propulsão híbrida; 
  • Alcance de 2.425 Km;
  • Veloz e capacidade de operação em pistas curtas e não pavimentadas;
  • Porta traseira para transporte de cargas e descargas com pallets, bem como transporte de veículos;
  • Lançamento de paraquedistas (24) e transporte de 30 soldados;
  • Possível conversam para transporte VIP;

Em 2019 foi assinado um memorando entre a FAB e a Embraer Defesa & Segurança que visava um futuro desenvolvimento de uma aeronave leve para transporte de cargas e passageiros para a substituição dos C-95 e C-97 (Bandeirante e Brasília). Contudo, com essa decisão recente a FAB congelará o projeto STOUT temporariamente.

Mais tarde, o Comandante também disse que a FAB não está desistindo completamente dos drones de combate, apenas que a prioridade da instituição neste momento é o segundo lote de Gripens, e que não há recursos suficientes para ajudar a Embraer nos estudos do UCAV.

Ele destacou que o encerramento dos estudos também não tem relações com a recente alteração contratual do cargueiro tático KC-390 Millennnium, afirmando, inclusive, que a Embraer está usando um avião da própria FAB para apresentar e promover o KC-390 brasileiro no Oriente Médio.