Uma avaliação de mercado realizada pela Flight Ascend Consultancy lançou uma previsão de crescimento da aviação comercial na América Latina, para os próximos 20 anos.

De acordo com a análise, a frota de aviões na América Latina vai praticamente dobrar nos próximos 20 anos, até 2037, principalmente pela maior oferta de voos regionais, que vão substituir os ônibus em muitas rotas.

O esperado é a entrega de mais de 4500 aviões comerciais em 2037, atualmente contamos com cerca de 2000 aviões. Cerca de 3700 desses aviões serão movidos pelo tipo de motor a reação, 225 do tipo turboélice e 20 cargueiros.

A análise aponta que 75% da frota atual será substituída por esses novos aviões, mas 62% das entregas vão possibilitar um crescimento no número de assentos. Podemos colocar como exemplo a Azul, que vai substituir parte da sua frota de E-Jets E195, com 118 assentos, pelo E195-E2, com cerca de 136 assentos.

Dos tipos de aeronaves, continuamos com a ampla predominância dos aviões de único corredor, a perspectiva é para 2950 novos aviões de corredor único.

Para isso precisamos ter um crescimento da oferta de assentos na ordem de 6,1%, enquanto o crescimento do mercado de carga deve ser de 6,2%. É possível obter esse crescimento a partir de um aumento de 4% ao ano do número das aeronaves nas companhias aéreas.

Esse crescimento é um pouco contraditório pois nos últimos 20 anos a frota na região cresceu apenas 1,7%, enquanto globalmente a frota de aviões cresceu 7%. O impulsionamento disso aconteceu a partir de 2012, quando as companhias receberam em média 140 novos aviões ao ano, com quedas a partir de 2015 principalmente pela crise na Venezuela e no Brasil, esta última já superada em 2018 no meio da aviação.

A previsão é que as companhias da América Latina recebam cerca de 275 aeronaves em 2037, no auge do crescimento.

Apesar de todo esse crescimento, o número de entregas deve representar apenas 8% do total global nos próximos 20 anos, mas representando ainda US$ 222 bilhões. A maior parte dessas entregas será na região da Ásia/Pacífico, que sofre de alta demanda devido ao aumento populacional.

 

Via – FlightGlobal