GOL Boeing 737 MAX Aeroporto

A GOL Linhas Aéreas realizou ontem (24) um evento online com os investidores da empresa, para apresentar alguns pontos sobre a recuperação de demanda após a crise, bem como as opiniões dos executivos 

De acordo com o presidente do conselho de administração da GOL, Constantino de Oliveira Junior, a demanda já estará retomando nos voos, no entanto, a que mais demorará a retomar será a corporativa, que permite a companhia aumentar o valor médio das passagens aéreas comercializadas.

“As vendas cresceram nas últimas seis semanas. A vacinação tem criado um ambiente de confiança entre nossos consumidores”, disse Eduardo Bernardes, vice-presidente de vendas e marketing da GOL.

De acordo com Constantino, a demanda corporativa deverá ser igual ao período antes da pandemia até o primeiro trimestre de 2022. Em 2021 esta ainda deve se manter em queda.

“Estou confiante de que a demanda de passageiros vai voltar. Estamos comprometidos. Por isso enviamos mais capital à empresa”, disse Constantino de Oliveira.

A companhia disse que está investindo no mercado de carga, para aumentar a sua receita auxiliar nos voos, mesmo sem ter aeronaves cargueiras na frota, utilizando somente os porões das suas aeronaves.

A GOL promete atender 59 destinos no 2º semestre.

 

Movimentações entre concorrentes

Em uma pergunta a parte, Paulo Kakinoff esclareceu alguns pontos sobre a “opinião” da companhia de um possível compra da LATAM pela Azul.

De acordo com Kakinoff, que anteriormente falou sobre “movimentos viáveis de consolidação” ao comprar a MAP Linhas Aéreas, o CADE pode aprovar a compra da LATAM pela Azul, apesar de ressaltar que este tema abre algumas discussões.

“Acho que pode ser aprovado, mas há discussões sobre remédios na mesa”, disse Kakinoff, ressaltando que não descarta também a chance de um codeshare da GOL com a Azul.

 

Frota de aviões da GOL

A GOL espera terminar 2021 com 129 aviões na sua frota. A companhia disse que deve receber mais 8 aviões Boeing 737 MAX neste ano, completando 18 aeronaves deste modelo na frota.

A Boeing já fabricou 22 aeronaves 737 MAX 8 para a GOL, sendo que as entregas deverão ser realizadas entre 2021 e 2022.

Desses aviões cerca de 110 devem estar em operação no final do ano, desta forma, somente 19 aviões estarão em solo, estocados ou em manutenção.

A frota, por sua vez, vai diminuir em 9 aeronaves, na comparação direta com o final de 2019. Há poucos resultados práticos na malha da GOL, visto que antes da crise a companhia arrendava seus aviões para empresas parceiras, como a Transavia.

 

DEIXE UMA RESPOSTA