Foto - COMAC/Reprodução

Nos últimos dias o HNA Group, um conglomerado de companhias aéreas da China, engrossou as encomendas de aeronaves chinesas através de um pedido para 200 aviões C919, da Comac, e 100 aviões ARJ 100, da AVIC.

O pedido foi realizado em regime de “cooperação estratégica”, então o HNA Group não divulgou um número de encomendas fixas e opções de compra.

Apesar disso a companhia disse que esses jatos serão usados pelas companhias da China, que estão vinculadas ao grupo, e na filial em Gana, na África. A companhia descartou usar o avião na Azul, que também detém uma parte acionária da empresa.

A Comac e a AVIC ainda serão responsáveis por fornecer assistência na manutenção, treinamento e aluguel dessas aeronaves.

Batismo do ARJ 21.

Pelo que sabemos, há uma clara movimentação do governo chinês para “influenciar” o uso de aeronaves de fabricação nacional nas empresas do país. Tal política é chamada de ‘Made in China 2025’, e já criou o avião regional ARJ21, o Comac C919 para substituir os narrowbody Airbus A320 e Boeing 737, e o último lançamento foi o widebody Comac CR929, que substituirá as aeronaves da categoria do Airbus A330.

Com esse pedido o C919 já acumula mais de 800 pedidos firmes, enquanto o ARJ 21 tem 297 pedidos, caso o Grupo HNA cumpra o contrato.