Um grupo de aeronaves de combate da Rússia foi interceptado, identificado e acompanhado por caças F-16 Fighting Falcon e F-35A Lightning II da Força Aérea Real Norueguesa (RNoAF) na quarta-feira (27). 

De acordo com a Força Aérea, uma aeronave de controle e alerta antecipado A-50 Mainstay liderava dois bombardeiros estratégicos supersônicos Tu-160 Blackjack, dois caças-interceptadores de longo alcance MiG-31 Foxhound e uma aeronave Su-24MR de reconhecimento.

Ao detectar as aeronaves russas ao norte das regiões de Troms e Finnmark, um F-16 que estava no serviço de alerta de reação rápido (QRA) na Base Aérea de Bodø foi enviado para identificar a atividade russa. Em seguida, um F-35A da Base Aérea de Evenes também foi enviado para acompanhar o grupo.

O F-16AM da Noruega acompanha o MiG-31 e o Tu-160. Foto: RNoAF.

Enquanto isso, um avião de patrulha P-3C Orion, que realizava missões de rotina na mesma área, auxiliou na identificação do A-50, informou a RNoAF. Tanto a Força Aérea quanto o Comando Aéreo Aliado da OTAN reforçaram que a interceptação ocorreu de maneira segura e de acordo com as leis internacionais.

“Nos últimos anos, tem havido um número constante de voos russos ao longo da costa. A última identificação foi neste verão e até agora identificamos 48 aeronaves russas. Em comparação com os anos anteriores, isso é, até agora, um declínio”, afirma a Força Aérea Norueguesa. 

O evento também marcou a primeira interceptação real do F-35A da Noruega perto do seu próprio território. Dois caças estão implantados na Base Aérea de Evenes, onde participam de um exercício que visa preparar os jatos de 5ª Geração para assumir os serviços de QRA.

Detalhando seu orçamento para o próximo ano, o Ministério da Defesa Norueguês revelou que deverá aposentar sua frota de caças F-16AM/BM ainda em 2021. A partir de 2022, todas as responsabilidades de defesa aérea do país serão assumidas pelo F-35.

F-16AM taxia na base de Bodø armado com mísseis AIM-120 AMRAAM e IRIS-T. Foto: RNoAF.
“Os F-35 desdobrados em Evenes estão se preparando para assumir o controle da missão de QRA do norte no próximo ano, interceptações reais como essas na área de Finnmark são apenas o treinamento de que as tripulações precisam“, disse o Tenente-Coronel Stine B. Gaasland, chefe de comunicação da RNoAF. “A introdução dos F-35s no sistema de policiamento aéreo da OTAN é uma mudança radical nas capacidades da Aliança.”
 
F-35A decolando da Base Aérea de Evenes durante o exercício Falcon Deploy 2021. Foto: RNoAF.

DEIXE UMA RESPOSTA