Lufthansa
Foto: Lufthsansa/Divulgação

Com novas melhorias buscando mais conforto para os passageiros, a Lufthansa apresentou a sua nova classe executiva a bordo de um Airbus A350-900 apelidado de “Munique” (D-AIVC). A aeronave operará a partir do Hub da Lufthansa em Munique e terá as suas primeiras operações com a novidade via Montreal, Toronto e Vancouver, no Canadá.

Experiência de viagem premium com Classe Executiva aprimorada

O “Munique” é o primeiro avião da frota da empresa aérea a oferecer aos seus passageiros uma Classe Executiva melhorada. Todos os assentos têm acesso direto ao corredor que podem se transformar de maneira fácil e rápida em uma cama de dois metros de comprimento. Além disso, os viajantes passam a contar mais espaço na área do ombro.

A introdução da Business Class marca o início de uma extensa das melhores cabines da Lufthansa. No próximo ano, a companhia aérea apresentará um novo produto de ponta em todas as classes, sendo atualmente: Econômica, Premium Economy, Executiva e Primeira Classe.

Lufthansa
Foto: Lufthansa

Curiosidade: seis aeronaves da Lufthansa já ostentaram o nome Munique

O A350 já é o sexto avião a ser batizado com o nome da cidade. Isso significa que a Lufthansa já pode olhar para trás em mais de seis décadas de voo com o “Munique”. Em 11 de outubro de 1960, uma aeronave da Lufthansa foi recebida pela primeira vez o nome da capital da Baviera. Na época, um Boeing 707 com a matrícula D-ABOF, foi batizado no então Aeroporto de Munique-Riem. O quinto “Munique” foi o Airbus A380 de registro D-AIMB, batizado por Edith von Welser-Ude em 28 de julho de 2010 e que não faz mais parte da frota da Lufthansa.

Redução das medidas de CO2 em 30%

O A350, cuja frota em Munique está sendo ampliada de 17 para 21 aeronaves, é uma aeronave de longo curso mais moderna e econômica da companhia. Para maior oferta de atualização de sua frota de curso, a Lufthansa anunciou o arrendamento para mais quatro A350-900 a serem entregues nos próximos meses.

O A350-900 consome apenas cerca de 2,5 litros de querosene por passageiro a cada 100 milhas voadas (161 quilômetros). Tal feito representa uma redução de 30% em comparação com os modelos anteriores. 

Via: Lufthansa