Foto - Paul Weatherman/Boeing

Mais de 35% dos aviões da família 737 MAX estão fora de operação, após uma decisão da Aeromexico, Aerolíneas Argentinas e GOL Linhas Aéreas, na noite desta segunda-feira, de suspender temporariamente os serviços com o Boeing 737 MAX 8.

Cerca de 140 aeronaves, das 371 que foram entregues e estavam operando voos, estão agora estacionadas temporariamente em solo, sem realizar voos desde ontem (11/03).

Depois da China, com 97 aviões, a América Latina possui o maior número de aeronaves aterradas, sendo sete da Gol , seis da Aeromexico e cinco da Aerolíneas Argentina. Duas companhias da Indonésia já acumulam 11 aviões parados.

As três companhias aéreas com maior frota de aviões da família 737 MAX da América do Norte, Southwest com 34 aviões, Air Canada com 24 aviões e a American Airlines com 24 aeronaves, decidiram continuar operando com seus aviões, após a FAA dizer que não há motivos de segurança para suspender as operações dessas aeronaves.

A Ethiopian Airlines ressaltou que ainda não sabe as causas do acidente, e que uma investigação será conduzida para esclarecer os motivos que levaram o avião a colidir com o solo em alta velocidade. As duas caixas-pretas da aeronave foram localizadas e resgatadas, elas vão esclarecer as causas do acidente.

A Boeing disse que acompanha de perto esse caso, e que vai apurar as causas para implementar com ajuda das agências reguladoras de segurança, procedimentos e atualizações no 737 MAX 8.

“A Boeing está profundamente entristecida com o acidente do voo 302 da Ethiopian Airlines, e nosso foco está em apoiar nossos clientes”, disse a empresa em nota oficial.

 

Via – FlightGlobal