KF-21 Boramae caça Coreia do Sul KAI
KAI KF-21 Boramae fez seus primeiros testes de solo no dia 04/07. Foto: KAI.

Na última segunda-feira (04), o protótipo 001 do KAI KF-21 Boramae fez seus primeiros testes em solo. Dias depois, mais imagens dos primeiros táxis do novo avião da Coreia do Sul foram divulgados. 

Os testes foram realizados no Aeroporto de Sacheon, onde estão algumas das instalações da KAI (Korea Aerospace Industries). A aeronave taxiou e ainda fez uma decolagem abortiva, retornando ao hangar e sendo inspecionado em seguida.

Interessantemente, o KF-21 fez seus primeiros testes “de rodagem” com quatro mísseis Meteor instalados nos pontos duros da fuselagem. 

Todos os testes ocorrem de forma rigorosa e antecedem o primeiro voo do avião, previsto para o dia 22 de julho.

Apesar de guardar claras semelhanças com os caças stealth F-22 Raptor e F-35 Lightning II dos EUA – o maior parceiro da Coreia do Sul – o KF-21 não é um caça de 5ª Geração, mas sim de 4.5 Geração como o Dassault Rafale, Sukhoi Su-35 e Saab Gripen.

Ao contrário dos aviões stealth, o Boramae (Falcão em coreano) vai carregar todos seus armamentos externamente, em 10 pontos duros nas asas e fuselagem.

As primeiras versões, chamadas de Block I, serão dedicas ao combate aéreo, carregando apenas mísseis ar-ar e o seu canhão interno. Posteriormente a Coreia do Sul vai evoluir o avião, permitindo que ele possa receber bombas e mísseis para ataque ao solo. 

O KF-21 foi desenvolvido é fruto do programa KF-X que custou US$ 6.3 bilhões aos sul-coreanos. O Boramae é o substituto dos antigos F-4E Phantom II e F-5E/F Tiger II, que dividem a missão de defender o país com aviões muito mais modernos e capazes como o F-15K Slam Eagle e o F-35.

O projeto também conta com a participação da Indonésia, cuja bandeira pode ser vista na fuselagem. Jakarta concordou em cobrir 20% dos custos.

A previsão da KAI é que a produção em série deve iniciar até meados de 2026 e a Força Aérea Sul-Coreana (ROKAF) espera contar com mais de 120 unidades do novo caça até 2032. O projeto também conta com a parceria vital da GE Aviation, responsável por fornecer os motores F414, os mesmos utilizados no SAAB JAS 39E/F Gripen e o F/A-18E/F Super Hornet.