Embraer Aviões China

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, solicitou na segunda-feira (23) dessa semana que a China negocie com a Embraer a produção no país asiático de aeronaves desenvolvidas no Brasil.

De acordo com o Mourão, em seu discurso de abertura da 6ª Sessão Plenária da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban), o Brasil deseja reforçar a presença industrial brasileira na China.

Apesar disso, a única empresa citada por Mourão foi a Embraer, que já produziu o jato executivo Legacy 650 em uma parceria com a chinesa Harbin Embraer Aircraft Industry. A parceria dos brasileiros com os chineses durou de 2003 até 2017, quando foi encerrada.

“Contamos com o apoio do governo chinês para que a Embraer possa ampliar sua parceria em aviação comercial com companhias chinesas, retomar sua presença local e participar do dinâmico mercado aeronáutico da China”, disse Mourão durante o evento da Comissão Sino-brasileira.

A Embraer estimou em números recentes que o mercado asiático precisará de 1500 novos jatos regionais, como os da linha E-Jet entre 2022 e 2040. Muitas companhias aéreas chinesas já operam com aviões da Embraer.

Atualmente, há 91 E-Jets em operação na China, voando por 550 rotas, conectando 150 cidades domésticas e no exterior. Essas aeronaves transportam cerca de 20 milhões de passageiros por ano, interligando rotas regionais e principais em todas a diferentes regiões da China.

Mourão já havia em 2020 indicado que a Embraer poderia fazer uma parceria com a China, mas naquela época abordando sobre o âmbito acionário. Agora, o vice-presidente parece tentar negociar uma fábrica da Embraer no mercado asiático, sendo que a fabricante ainda não se posicionou sobre essa possibilidade.

Atualmente a Airbus e a Boeing mantêm fábricas na China, sendo que a empresa norte-americana tem um acordo para somente montar o interior do 737 MAX no país asiático. A Airbus disponibiliza linhas completas de montagem final do A320neo e do A330 em Tianjin, e recentemente ampliou a produção no local para atender a demanda doméstica.

 

Com informações de Poder360.