Mars Ascent Vehicle da NASA- Foto: Nasa

A NASA concedeu o contrato do Mars Ascent Propulsion System (MAPS) à Northrop Grumman Systems Corporation de Elkton, Maryland, para fornecer suporte de propulsão e produtos para missões de voo espacial no Marshall Space Flight Center da agência em Huntsville, Alabama.

Juntamente com o pouso bem-sucedido do rover Mars Perseverance, este prêmio coloca a NASA e a ESA (Agência Espacial Europeia) um passo mais perto de realizar o Mars Sample Return (MSR), um programa de exploração planetária altamente ambicioso que se baseará em décadas de ciência, conhecimento, e experiência da exploração de Marte.  

O contrato de custo acrescido de taxa fixa tem um valor potencial de serviços de missão de $ 60,2 milhões e um valor potencial máximo de $ 84,5 milhões. O trabalho no MAPS começa imediatamente com um período base de 14 meses, seguido por dois períodos de opção que podem ser exercidos a critério da NASA.

Planeta Marte e suas luas Deimos e Fobos-(Foto Divulgação)

Nas próximas etapas da campanha MSR, a NASA e a ESA fornecerão componentes para uma missão Sample Retrieval Lander e uma missão Earth Return Orbiter. A missão Sample Retrieval Lander entregará um Sample Fetch Rover e Mars Ascent Vehicle (MAV) à superfície de Marte.

 Marshall é responsável pelo elemento MAV do Programa MSR, que é um veículo de dois estágios que será um elemento crítico no suporte do MSR para recuperar e retornar as amostras que o rover Perseverance Mars 2020 coletará para retornar à Terra. 

O ambiente marciano será um fator significativo no projeto, desenvolvimento, fabricação, teste e qualificação de dois motores de foguete sólidos diferentes com várias entregas de cada um. Por meio do contrato MAPS, a Northrop Grumman fornecerá os sistemas de propulsão para o MAV.

Rover Perseverance fez fotos panorâmicas da cratera Jezero, em Marte- Foto: NASA

Trazer amostras de Marte de volta à Terra permitirá que cientistas de todo o mundo examinem os espécimes usando instrumentos sofisticados, grandes e complexos demais para enviar a Marte, e permitirá que as gerações futuras os estudem usando tecnologia ainda não disponível. 

A curadoria das amostras na Terra permitirá que a comunidade científica teste novas teorias e modelos à medida que são desenvolvidos, assim como as amostras da Apollo que retornaram da Lua fizeram por décadas.

 

Fonte: NASA