Pipistrel Miniliner Hidrogênio

A Pipistrel Aircraft, uma fabricante de aviões pequenos da Eslovênia, lançou nesta semana um conceito de avião com propulsão elétrica e utilizando uma célula de hidrogênio.

O avião tem como foco o mercado de aviação executiva e regional, e capacidade máxima para 19 passageiros.

A propulsão é realizada com dois motores elétricos montados nas asas com hélices para a propulsão. Uma célula de hidrogênio é responsável por fornecer energia que recarrega as baterias, e então transfere a mesma para o funcionamento dos motores.

Com a célula de hidrogênio o avião consegue ter uma autonomia maior de voo, além de menor peso, visto que as baterias são necessárias somente como “backup” e para a transferência de energia aos motores.

A Pipistrel ainda disse que a energia das células de combustível será suficiente para a maioria dos voos, mas as baterias são fornecidas para aumentar o desempenho em pistas curtas, permitindo decolagens de pistas com 800 metros de comprimento.

Isso permite o uso do avião em 80% dos aeroportos da Europa.

Um único tanque de hidrogênio líquido será responsável por fornecer 1800 km de alcance para o Miniliner, como a Pipistrel chama o avião. No entanto, a fabricante acredita que o avião será utilizado em rotas de 300 a 450 km de distância no máximo.

A potência dos motores elétricos será de 2 MW no total. 

Os custos operacionais devem ser 40% mais baixos do que os atuais aviões de transporte regional da categoria CS-23 por assento, disse Tomazic: “Queremos que esta aeronave gere dinheiro, não temos foco em somente reduzir emissões de CO2.”

A participação da Pipistrel em dois programas de pesquisa e tecnologia financiados pela UE, MAHEPA e Unifier – o primeiro incluindo voos de uma aeronave movida a célula de combustível de hidrogênio – ajudou a informar o projeto da empresa e a análise de mercado.

 

Projeto do Pipistrel Miniliner

Tomazic argumenta que o design do Miniliner o diferencia de outros aviões, visto que a estrutura está sendo criada com foco no estilo de propulsão. 

“Estamos garantindo que a fuselagem tenha todos os atributos de que a propulsão e as baterias precisam; estamos construindo em torno dos melhores elementos do novo sistema de propulsão”, disse Tomazic.

“Acreditamos que teremos vantagens de ser o pioneiro devido ao nosso conhecimento do grupo propulsor.”

Três projetos diferentes de aeronaves estão sendo avaliados, cada um apresentando uma configuração de motor diferente, formato de cauda e uso, ou não, de canards. No entanto, a asa e a fuselagem compostas são as mesmas para cada projeto.

Enquanto os detalhes estão sendo mantidos em sigilo, Pipistrel disse que os principais fornecedores do Miniliner foram contratados, junto com duas companhias aéreas não divulgadas – uma na França, a outra na Irlanda – para servir como consultores de clientes para o programa.

Tomazic diz que o peso máximo de decolagem ideal será em torno de 8.500-9.000 kg (18.700-19.800 lb), potencialmente um pouco acima do limite superior de 8.618 kg para aeronaves do tipo CS-23.

Mas ele tem esperança de que o relacionamento e a experiência da Pipistrel com o regulador europeu – principalmente por meio da primeira certificação mundial do Velis Electro totalmente elétrico no ano passado – possibilitará um pequeno relaxamento das regras.

“Mesmo que estejamos no limite da categoria, isso não faz ou quebra o produto”, acrescenta.

 

Lançamento, demanda e entrada em serviço

O lançamento do programa é provável de ser realizado ainda neste ano, levando a um primeiro voo em 2028 e entrada de serviço em 2030 ou 2031, de acordo com Tomazic, embora isso possa ser acelerado se forem recebidos subsídios adicionais de pesquisa e desenvolvimento.

Em qualquer caso, é provável que a empresa busque financiamento externo para colocar o Miniliner no mercado, principalmente para expandir suas instalações de produção em Ajdovscina, Eslovênia, e Gorizia, do outro lado da fronteira italiana.

A análise da Pipistrel sugere que existe um mercado total para cerca de 1.500 aeronaves na categoria Parte 23; Tomazic diz que “mesmo algumas dezenas por ano seria um bom resultado”.