F-35A Lightining II- Foto da Força Aérea dos EUA por Airman Sênior Alexander Cook

A Polônia assinou um contrato de US$ 4,6 bilhões para a compra de 32 caças Lockheed Martin F-35A, com entregas para começar em 2024.

Assinado em 31 de janeiro na academia da Força Aérea Polonesa em Deblin, o acordo também inclui um pacote de treinamento e serviços de apoio logístico.

A aeronave polonesa será equipada com equipamentos de guerra eletrônica, além de um pára-quedas de frenagem, para aumentar a segurança de aterrissagem em más condições climáticas, como na neve. As entregas estão programadas para o período 2024 a 2030, a uma taxa anual entre quatro e seis caças.

Os seis primeiros F-35 aceitos em 2024 e 2025 permanecerão nos EUA para apoiar o treinamento de pilotos e pessoal de manutenção: provavelmente em Luke AFB, Arizona. Essa atividade pode incluir a preparação de 24 pilotos e 90 técnicos, alguns no nível de instrutor.

Um lote subsequente de aeronaves será entregue à Polônia em 2025 e 2026 para equipar um primeiro esquadrão, que deve declarar capacidade operacional inicial em 2026. Da mesma forma, o país também receberá oito dispositivos de treinamento sintético para instruções processuais e de missão.

O apoio à logística será fornecido até 2030 sob o acordo, incluindo o uso do Sistema de Suporte Global da Autonomic Logistics do F-35 e do Sistema de Informações da Logística Autonômica. O Ministério da Defesa da Polônia diz que futuros custos operacionais e de suporte serão determinados após esta data.

Varsóvia ainda não decidiu onde seus caças F-35A serão baseados. Seus militares dizem que os locais candidatos são os mesmos dos atuais RAC MiG-29 e Sukhoi Su-22 (Minsk Mazowiecki, Malbork e Swidwin), além de outra instalação no centro da Polônia, que não está em operação há mais de uma década. O trabalho de modernização da base custará entre 700 milhões e 1,5 bilhão de zlotys (US$ 180 a 386 milhões), acrescenta.


Um conjunto de armas para as aeronaves de combate será negociado pelos governos da Polônia e dos EUA, com o potencial de Varsóvia selecionar munições já empregadas por seus F-16 da Lockheed, ou equipamento exclusivo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA