A Europa está se preparando para visitar o planeta quente, misterioso e que fica mais próximo do Sol: Mercúrio. BepiColombo, a primeira missão europeia rumo a Mercúrio está atualmente sendo preparada para lançamento no European Spaceport localizado em Kourou, na Guiana Francesa.

A espaçonave foi construída sob a coordenação industrial da Airbus, que liderou um consórcio de 83 empresas de 16 países para a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Japonesa (JAXA).

A espaçonave 4-em-1 será lançada em outubro a bordo do voo VA 245 do Ariane 5 em direção ao menor e menos explorado planeta rochoso do Sistema Solar. A espaçonave de 6,4 metros com configuração de satélites empilhados será lançada em uma trajetória direta a partir da Terra para dar início à viagem de sete anos rumo a Mercúrio.

As fontes de energia utilizadas pelo BepiColombo serão a gravidade da Terra, de Vênus e do próprio Mercúrio, juntamente com o impulso conferido pela propulsão solar-elétrica (solar-electric propulsion – SEP). Durante a viagem até Mercúrio, dois orbitadores e um módulo de transferência, composto por unidades de propulsão elétrica e de propulsão química convencional – além de um escudo solar -, serão integrados para, juntos, formarem a espaçonave.

Quando chegar a Mercúrio, no final de 2025, o módulo de transferência vai separar os dois orbitadores científicos. Os orbitadores enfrentarão temperaturas de até 350°C durante a missão inicial de um ano, que poderá ser estendida por mais um ano.

Enquanto os preparativos finais estão sendo feitos em Kourou, uma equipe de profissionais da Airbus está fortemente envolvida na operação da simulação LEOP (Launch and Orbit Phase, ou Fase de Lançamento e Órbita) no Centro Europeu de Operações Espaciais (ESOC – European Space Operations Center), localizado em Darmstadt, na Alemanha. Uma equipe de assistência dedicada ao projeto estará presente no ESOC durante o lançamento para ajudar na fase dos primeiros “passos” do BepiColombo.

O brilho do Sol impossibilita que Mercúrio seja estudado em detalhe com telescópios e o calor extremo e sua proximidade ao Sol dificultam o acesso ao planeta. Até o momento, apenas duas missões da NASA visitaram Mercúrio: a Mariner 10 na década de 1970 e a Messenger, que orbitou o planeta de 2011 a abril de 2015, quando acabou seu combustível.

As agências ESA e JAXA uniram forças para a missão BepiColombo, que é composta por dois orbitadores separados: o Orbitador Planetário de Mercúrio (Mercury Planetary Orbiter – MPO), construído pela ESA, e o Orbitador Magnetosférico de Mercúrio (Mercury Magnetospheric Orbiter – MMO), construído pela JAXA.

A missão BepiColombo, batizada em homenagem ao professor italiano Giuseppe ‘Bepi’ Colombo, cuja participação foi essencial para o sucesso da missão Mariner 10, examinará as peculiaridades da estrutura interna e a geração do campo magnético em Mercúrio e como eles interagem com o Sol, além dos ventos solares.

A espaçonave também investigará as características químicas e estruturas da superfície do planeta, como o gelo presente em crateras polares, uma região permanentemente localizada à sombra.

Os estudos científicos da missão aumentarão significativamente nosso conhecimento sobre a formação dos planetas do Sistema Solar e a evolução de planetas localizados próximos a sua estrela mãe.