A Transport Canada está questionando o regulador de espectro do país, a ISED, sobre uma possível interferência das redes de comunicações 5G nas aeronaves.

De acordo com a órgão de regulamentação da aviação no Canadá, as frequências leiloadas do 5G no país, de 3,45 a 3,65 GHz e 3,65 a 4 GHz, até 2023, podem interferir em rádios-altímetros de aeronaves.

A frequência utilizada pelo rádio-altímetro é entre 4,2 a 4,4 GHz, e de acordo com a Transporte Canada, pode interagir, através de harmônicos, com os sistemas de 5G quando a aeronave estiver em baixa altitude.

Essas frequências do rádio-altímetro são utilizadas para medição direta da altitude da aeronave em algumas fases do voo, mas especialmente em baixa altitude. Como um sonar, o equipamento é capaz de medir o tempo que a onda é emitida do avião até ser refletida pelo solo logo abaixo do mesmo.

Em uma aeronave, o rádio-altímetro atua juntamente com outros equipamentos, como o TCAS, o GPWS, ILS e o computador do avião, logo, é um equipamento bastante importante e complementa as informações de pressão dinâmica e estática do tubo de pitot.

A interferência foi aferida em 2020 pela RTCA (Radio Technical Commission for Aeronautics), que confirmou a possível interação entre as frequências. Com base na pesquisa da RTCA, a Transport Canada apontou um “grande risco” de que os sistemas 5G que usam a banda de 3,7 a 3,98 GHz “causem interferência prejudicial” a rádios altímetros em “todos os tipos” de aeronaves civis.

“O resultado mais indesejável da interferência é a indicação de informações de altura incorretas não detectadas fornecidas pelo rádio-altímetro”, afirma. “Dependendo das operações, modelo do equipamento e tipo de aeronave, este tipo de erro pode ter impactos adversos significativos na segurança de voo.”

A questão ainda deve ser analisada, até mesmo por autoridades de outros países, para verificar possíveis problemas entre o 5G e as aeronaves.

Algumas modificações podem ocorrer no futuro, como resultado dessa análise da TC e da RTCA, veja abaixo:

  • A primeira envolve a desativação mundial desta banda de 5G, para evitar problemas com as aeronaves no presente e também no futuro.
  • A segunda é uma alteração nos procedimentos a bordo, evitando que os passageiros liguem os celulares, ou retirem os mesmos do ‘modo avião’.
  • A terceira, se não houver uma implementação de nenhuma das soluções anteriores, é a mudança da frequência do rádio altímetro de cada aeronave.

Provavelmente haverá uma reunião com órgãos dos EUA e da Europa no futuro, para adequar novamente as redes de 5G em relação à interferência nos aviões.

A Transport Canada também está pedindo às tripulações que relatem qualquer perturbação aos rádio-altímetros para o controle de tráfego aéreo o mais rápido possível. Os serviços de navegação aérea Nav Canada e ISED devem fornecer orientação sobre como relatar tais eventos.

 

Com informações de FlightGlobal.

DEIXE UMA RESPOSTA