Foto: Força Aeroespacial Francesa.

Um dos deveres das forças aéreas de todo mundo é identificar e acompanhar aeronaves que não agem de acordo com as regras de segurança do espaço aéreo local. Para isso, uma aeronave de caça  ou até mesmo um helicóptero o enviado para interceptar, acompanhar e, se necessário for, forçar o pouso ou derrubar o tráfego em questão. Para manter a proficiência nessas e outras missões, o treinamento é constante. 

Na França, uma pequena unidade de reservistas auxilia os militares da ativa no treinamento das missões de Policiamento Aéreo. Com sede na Base Aérea de Ambérieu-en-Bugey e atuando sob o comando do Destacamento Aéreo (DA) 278, a Seção Aérea Reserva (SARAA) 278 é composta apenas por reservistas operacionais e tem por missão o treinamento de pilotos, controladores e demais militares envolvidos no serviço de Polícia Aérea. 

Um caça Mirage 2000-5F acompanhando o pequeno e lento Robin DR400 durante um treinamento de interceptação de aeronaves de pequeno porte com a SARAA 278. Enquanto o Mirage pode ultrapassar os 2000 Km/h, o DR400 tem uma velocidade máxima de, aproximadamente, 278Km/h. Foto: Força Aeroespacial Francesa.

Empregando aeronaves pequenas e “lentas”, como o monomotor de asa baixa e trem de pouso fixo Robin DR400, os pilotos da SARAA trabalham em conjunto com os militares da ativa e simulam situações como uma invasão de espaço aéreo ou sobrevoo de uma área proibida. Dessa forma, um caça, como o Dassault Mirage 2000-5F, é enviado para averiguar a aeronave.

Dependendo do cenário simulado, os reservistas da SARAA 278 podem ter uma atitude mais cooperativa ou agressiva, onde o piloto da aeronave interceptadora deve fazer com que a aeronave interceptada apenas mude o curso ou seja forçada a pousar em um aeródromo.

Por conta da disparidade de performance entre os dois modelos – um é um avião esportivo com velocidade máxima de 150 nós, outro é um interceptador que pode passar dos 2000Km/h- o caça voa com um alto ângulo de ataque para acompanhar o “alvo”. Por isso, helicópteros também podem ser enviados para interceptar esse tipo de aeronave, já que podem manter um aspecto de voo mais “confortável” nesse tipo de situação.

Segundo a Força Aeroespacial Francesa, tais missões também permitem que o Centro Nacional de Operações Aéreas (CNOA), localizado na Base Aérea 942 Lyon-Mont Verdun, faça exercícios sobre uma ameaça de avião lento e teste a boa coordenação entre a cadeia de detecção e controle, controle militar e agências civis. A SARAA também participa de exercícios combinados. 

Foto: Força Aeroespacial Francesa.

O Comandante Édouard, especialista em suporte técnico aeronáutico operacional em benefício da SARAA 278, explica: “Como perito, faço a ligação entre o SARAA, o DA 278 e a Brigada Aérea da Aviação de Caça do Comando das Forças Aéreas, para efeitos de organização e execução óptima das missões SARAA durante as suas ativações.”

Para cumprir as suas missões, o SARAA 278 conta com oito tripulantes, todos ex-militares, três dos quais são ex-pilotos de caça, e quatro mecânicos, todos ex-especialistas militares na área. O Tenente-Coronel Jean-Emmanuel Paillou, que foi líder da equipe de demonstração Patrouille de France no ano de 2005, também faz parte da unidade de reservistas. 

A recém-recrutada Tenente-Coronel Christelle é a primeira mulher a pilotar no SARAA 278. Ela conta, animada: “Fui a primeira mulher a ingressar na Escola Aérea como piloto, a primeira mulher no [C-160] Transall, a primeira mulher a comandar uma promoção da Escola Aérea, a primeira mulher à frente de um esquadrão de transporte, e hoje a primeira mulher da SARAA. Isso é ótimo! Mesmo que isso não mude muito.” 

Foto: Força Aeroespacial Francesa.

Foco na missão  Polair, por iniciativa da Brigada da Gendarmaria Aérea

Em fevereiro de 2021, a ativação do SARAA 278 também permitiu treinar a brigada da gendarmaria DA 278 na implementação de uma medida Polair (polícia aérea), durante o regresso de uma aeronave da SARAA de missão. Quando uma aeronave é abordada após sobrevoo de uma zona proibida, a equipe operacional a faz pousar. A gendarmaria verifica os documentos da aeronave e da tripulação e regista as violações observadas. Se a aterragem for efetuada em aeródromo militar, a Brigada da Gendarmaria Aérea (BGA) procede à investigação judicial.

Via Força Aeroespacial Francesa.

DEIXE UMA RESPOSTA