A United Airlines optou por não realizar uma encomenda de largada para o A321XLR, que a companhia julgou antes como um bom projeto para substituir o Boeing 757.

A companhia ainda está avaliando se o Airbus A321XLR pode atender as suas necessidades de mercado, visto que a companhia coloca em pauta também a substituição do Boeing 767 nos próximos anos.

O foco da United é simplificar ao máximo a frota nos próximo anos, para diminuir gastos extras com manutenção de aviões. Enquanto o A321XLR não apresenta uma boa opção para substituir os 767, de acordo com a companhia, um estudo precisa ser realizado para verificar a possibilidade mais econômica de fazer uma substituição conjunta.

Devido a isso, a United gostou bastante do projeto do NMA, da Boeing, que consegue abranger a faixa de 200 a 300 assentos com somente uma família de aeronaves, e boa autonomia.

“A A321XLR não resolve o problema de substituição do 767”, disse Gerry Laderman, diretor financeiro da companhia aérea.

A United continua a considerar o A321XLR, bem como o A330neo, NMA e outros jatos 737 MAX ou 787 para suas necessidades de frota, como substituir o 757 e o 767. A United já opera com o Boeing 787 na sua frota, nas três variantes da aeronave.

Atualmente a United opera com 77 aviões do modelo 757, e cerca de 52 aviões da família 767. De acordo com o presidente da companhia aérea, Scott Kirby, ela precisa inicialmente de 30 a 40 aeronaves de médio porte/alcance para substituir esses aviões.

As aeronaves restantes desta soma serão preenchidas com aviões 737 MAX 10 e 787.

 

Vantagens do A321XLR

Com esse lançamento do A321XLR a Airbus criou um eficiente substituto do Boeing 757, com a mesma filosofia de corredor único, e capacidade para até 240 passageiros em uma configuração de Classe Econômica. A Airbus promete uma economia de até 30% na queima de combustível por assento, em comparação com o Boeing 757.

O A321XLR fornece cerca de 15% a mais de alcance de voo nas mesmas configurações do A321LR, e retira uma incômoda limitação da versão anterior que não permitia voo de boa parte dos países do oeste europeu para o leste dos Estados Unidos.

A nova aeronave tem um alcance máximo de aproximadamente 8700 km, quando configurada com 206 assentos no interior. Em comparação, o A321LR tem 7400km de alcance máximo nas mesmas condições.

A nova aeronave estará disponível para entregas a partir de 2023, de acordo com a Airbus, e não tirará de linha o atual A321LR, que continua disponível para as companhias aéreas.