Elon Musk é uma pessoa que sempre gosta de unir o útil com o agradável, e com prazos nem tão generosos assim, por isso volta e meia a SpaceX anda atrasando um pouco alguns projetos, ainda bem que é por pouco tempo, sem seguir o exemplo da AEB.

Mas alguém recentemente deu um toque no Elon Musk e disse que seria meio caro produzir o anterior foguete ITS, para inicialmente alcançar a Lua, teoricamente até o Falcon Heavy consegue tal proeza, e pode sair ainda mais barato.



Base na Lua.

 

E por causa disso a SpaceX apresentou o novo conceito BFR, o pior é descobrir que esse é um acrônimo para o nome Big Fucking Rocket, por isso chamaremos só de BFR, mesmo que fique repetitivo. O novo foguete da SpaceX é menos complicado em comparação com o ITS, primeiramente ele não precisa de tantos motores Raptor, são só 31 no total, que ainda estão sendo desenvolvidos pela SpaceX, em segundo plano ele tem uma fuselagem menor, com apenas 9 metros de diâmetro.

O ITS era algo totalmente exagerado, ele seria equipado com 42 motores Raptor, além de ter 13 metros de diâmetro e 122 metros de altura.

Boa parte do espaço no ITS e no BFR é para o transporte de astronautas e carga, quase metade do tamanho é dedicada ao segundo estágio, que parece um mini-ônibus espacial sem asas. O BFR poderá decolar com até 150 toneladas de carga, mesmo na versão dedicada para esse tipo de serviço, isso é suficiente para criar os sistemas iniciais de colonização em Marte, o ITS virá em um segundo momento.

O reabastecimento do segundo estágio para seguir até Marte, ou a Lua, ocorrerá na órbita da Terra, no total 4 espaçonaves-tanque serão responsáveis por completar o combustível do BFR em órbita, depois disso ele poderá seguir para sua missão até Marte.

O grande destaque dessa nova geração de foguetes da SpaceX é a propulsão baseada em Oxigênio Líquido (LO2) e Metano, os dois combustíveis podem ser obtidos facilmente em Marte, se a SpaceX já provou que consegue reaproveitar foguetes, essa tecnologia também será incorporada para que a Spaceship do BFR consiga voltar para a Terra, várias vezes.

Uma ideia magnífica, um foguete que é capaz de voltar de Marte várias vezes, mais eficiente do que o clássico Saturn V e com design moderno, sem parecer vários estágios empilhados em uma estrutura.

A evolução da colonização de Marte esperada por Elon Musk pode ser conferida na galeria abaixo (sequencialmente). Importante notar as bases de pouso do BFR, localizadas à esquerda da foto.

 

Aproveitamento de projeto

Na última sexta-feira também publicamos sobre o aproveitamento do BFR para voos em nosso próprio planeta, a ideia de Elon Musk é usar a capacidade de reaproveitar foguetes para oferecer voos em velocidade hipersônica para destinos de longa distância.

É uma ideia boa, o BFR configurado para voos suborbitais pode realizar cada voo desse por 2 milhões de dólares, combinado com a capacidade interna superior a do Airbus A380, temos passagens com o mesmo preço de uma classe econômica.

De acordo com os dados apresentados pela SpaceX, será possível ir de Nova York para Hong Kong em apenas 30 minutos, tudo isso através de voos suborbitais em forma de parábola, é subir e descer, praticamente. Atualmente nem uma ponte Rio – SP dura 30 minutos.

Uma demonstração de como funcionará a tecnologia está disponível no vídeo abaixo: