O mais novo membro da frota da Azul, além do A330neo que chega neste final de semana, deverá ser entregue pela primeira vez em setembro deste ano.

Esse avião é o Embraer E195-E2, a nova geração de aeronaves E-Jet da fabricante brasileira, com maior disponibilidade de espaço a bordo e maior economia de combustível.

Essa informação foi confirmada na tarde desta quinta-feira (09/05) pelo fundador da Azul, David Neeleman, durante uma conferência com investidores. A empresa espera receber seis aviões deste modelo, entre setembro e dezembro de 2019.

A primeira aeronave já está na linha de montagem final da Embraer, como publicado pelo Portal Aeroflap, e deve ser apresentada com uma pintura especial (foto abaixo).

A companhia encomendou 51 aviões do modelo E195-E2, fabricados pela Embraer, para substituir a sua frota de aeronaves E-Jets de Primeira Geração (E1).

David Neeleman confirmou que o E195-E2 representa um aumento 18 assentos em relação ao E195-E1. Como o jato de geração anterior da Embraer recebe uma configuração padronizada de 118 assentos na frota da Azul, podemos afirmar que o novo E195-E2 terá 136 assentos.

É uma configuração consideravelmente confortável, visto que o E195-E2 pode receber até 146 assentos a bordo devido às alterações estruturais que aumentaram o tamanho da fuselagem.

Além desse acréscimo de assentos, o E195-E2 não cobra nada a mais em consumo para oferecer essa capacidade extra, ao contrário, ele proporciona uma economia de combustível na ordem de 15% comparando com a geração anterior e uma redução de custo de transporte por assento ainda maior, de 26%, devido ao maior espaço interno.

Assim como o E190-E2, o E195-E2 também terá os intervalos de manutenção mais longos no mercado de aviões de corredor único, com 10 mil horas de voo para atividades básicas de manutenção e sem limite de calendário para utilizações típicas. Isso significa 15 dias a mais para utilização da aeronave em um período de dez anos, comparado à atual geração de E-Jets.

 

Melhorias no desempenho do E195-E2

As metas de desempenho do E195-E2 deveriam ser semelhantes às do E195, mas com mais carga útil (adição de 12 passageiros). Os resultados, no entanto, mostram melhorias significativas em muitos aspectos.

Alcance – A autonomia máxima é de 2600 milhas náuticas (4800 km) com carga total de passageiros, 600 milhas náuticas a mais que o E195.

Aeroportos Restritos – O E195-E2 poderá atender mais mercados que contam com aeroportos com restrições de operação. De Denver, o alcance da aeronave é de 900 milhas náuticas mais longo do que o do E195. Do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, o ganho é mais de 500 milhas náuticas.

Comprimento da área de decolagem – No peso máximo de decolagem (MTOW), na sigla em inglês), o E195-E2 requer apenas 1800 metros, enquanto o E195 precisa de 2180 metros.