Airbus A321XLR Aeronave Airbus
Foto: Airbus

A mais nova preocupação da Boeing está rodando na realidade um produto da sua concorrente, o Airbus A321XLR.

De acordo com a fabricante norte-americana, há um risco de incêndio na nova formulação de tanque extra para o avião da Airbus, que apresenta um novo tanque central com maior capacidade de combustível, permitindo voos de até 8700 km.

A Airbus já tinha proposto um novo modelo de tanque central, com proteções para evitar esse risco de incêndio.

No entanto a Boeing utilizou de um mecanismo que permite alertar as autoridades de aviação sobre problemas em quaisquer aeronaves. A EASA foi alertada pela Boeing sobre os riscos da arquitetura utilizada pela Airbus, e agora deve estudar soluções com a fabricante europeia.

A Airbus fabricou recentemente os primeiros componentes do tanque central do A321XLR.

A Boeing não divulgou mais detalhes sobre seu estudo sobre o tanque central do Airbus A321XLR. Mas em janeiro a EASA alertou a Airbus sobre o reforço da proteção do local, para evitar que um incêndio externo afetasse a integridade do tanque.

“Um tanque de combustível integral da fuselagem exposto a um incêndio externo, se não for adequadamente protegido, pode não fornecer tempo suficiente para o passageiros para evacuar a aeronave com segurança”, disse a EASA para a Reuters.

De acordo com a EASA, esse incêndio externo pode ocorrer em situações que já foram registradas na aviação, como um pouso de barriga ou em caso de saída da aeronave da pista de pouso.

Airbus
Foto – Divulgação

A Airbus espera certificar o A321XLR em 2023, e já começou até a fabricar componentes estruturais para a aeronave. Ainda não está claro se o projeto pode ser atrasado devido a esse problema encontrado pela EASA e Boeing.

 

O atrativo do avião é ter capacidade para até 240 passageiros com uma configuração de corredor único, além de conseguir voar por até 8700 km. O A321XLR é listado como um avião sem concorrentes no atual mercado de aviação.