Boeings 777 da Air New Zealand não voarão até pelo menos Setembro de 2021

Foto: Max Kingsley-Jones

A Air New Zealand decidiu que não vai operar com seus Boeings 777 até pelo menos setembro de 2021. A decisão da companhia vem devido ao impacto da crise do Covid-19 na aviação, o que afeta a demanda e as restrições de viagens por vários países pelo mundo.

A companhia ainda deixou em aberto que dependendo de como a crise continuar, a paralisação de voos com os 777 pode se estender. 

“O recente ressurgimento de casos na Nova Zelândia é um lembrete de que esta é uma situação altamente volátil. Não estamos prevendo o retorno de nenhum 777 voando até setembro de 2021, pelo menos, e é por isso que tomamos a decisão de deixar a frota em terra pelo menos até esta época do próximo ano”, disse o diretor de operações Carrie Hurihanganui.

A empresa afirmou ainda que tem planos de enviar quatro de seus 777-300 para armazenamento em Victorville, no deserto da Califórnia. As outras três permaneceriam em Auckland para que a empresa tenha disponível rapidamente essas aeronaves se for necessário para voos de cargas ou de repatriação. 

O mesmo vai ocorrer com os Boeings 777-200, que serão enviados em parte a Victorville para ter um armazenamento seguro devido as condições climáticas. O outro local é Roswell no Novo México, entretanto a empresa não informou a quantidade que será enviada a cada local. 

“Os locais na América do Norte foram escolhidos por suas condições áridas e instalações de armazenamento existentes, o que garantirá que as aeronaves sejam mantidas em condições que lhes permitam retornar ao serviço dentro de seis a oito semanas, se necessário”, disse a Air New Zealand.

Atualmente a Air New Zealand possui uma frota de 15 aviões Boeing 777, sendo 8 da versão -200 e 7 da versão -300.


 

DEIXE UMA RESPOSTA