Bombardeiro B-52
Foto: Força Aérea dos Estados Unidos

A Força Aérea dos Estados Unidos fechou um contrato com a Collins Aerospace para atualizar os bombardeiros B-52.

O novo EPGS substituirá o sistema elétrico que está há 70 anos a bordo dos bombardeiros B-52. Essencial para manter o bombardeiro voando até a década de 2050, o novo sistema elétrico consumirá 30% a menos de energia, exigindo também menos dos motores, que serão atualizados.

Todo o pacote faz parte do sistema contratado pela USAF para atualizar seus 76 bombardeiros B-52, incluindo os oito novos motores de cada aeronave, que serão substituídos pelos turbofan F130 da Rolls-Royce. O ganho de eficiência em toda atualização permitirá uma consumo de combustível até 30% menor.

A Collins também deverá fornecer todo o pacote elétrico para apoiar as atualizações de aviônicos da aeronave, radares e mísseis. A atualização desses componentes foi fechada em outubro de 2021, e você pode conferir mais Clicando Aqui.

Cerca de 60 empregos serão gerados para apoiar o programa B-52 EPGS no Centro de Excelência em Sistemas de Energia Elétrica da Collins Aerospace em Rockford, Illinois.

Além do EPGS, a Collins também foi selecionada para fornecer novas rodas e freios de carbono para o B-52. Atualmente, a empresa fornece vários sistemas para a aeronave e está trabalhando ativamente com a Força Aérea e o fabricante do avião para explorar como pode apoiar outros esforços de modernização do B-52, incluindo atualizações de comunicações e aviônicos.

O primeiro lote de Bombardeiros B-52H re-motorizados deverá ser concluído até o final de 2028. A Força Aérea dos Estados Unidos planeja ter toda a sua frota atualizada até 2035. Toda a atualização dos aviões deve custar cerca de US$ 11 bilhões.

 

DEIXE UMA RESPOSTA