COMAC C919
Comac C919

A fabricante chinesa COMAC declarou no último dia 23 de julho que finalizou o programa de certificação do C919, sendo que suas seis aeronaves de testes concluíram os voos especificados pela autoridade de segurança da aviação da China.

Desta forma, o C919 está no último passo para obter a certificação que autoriza a sua operação comercial, e consequentemente as primeiras entregas. O programa C919 foi afetado por atrasos nos últimos anos, em parte devido às crescentes tensões geopolíticas entre a China e os EUA e pela falta de Know How da COMAC na fabricação deste tipo de aeronave.

A COMAC neste final de semana posicionou todos os seis protótipos do C919 no Aeroporto de Weinan, na província de Shaanxi, e provavelmente fará um grande evento no local quando a certificação for emitida.

A CAAC exige que 300 horas de testes funcionais e de confiabilidade sejam obrigatórios antes da certificação. Dentro dessas 300 horas, 150 horas de voo podem ser realizadas em combinação com outras tarefas de teste de voo de certificação, e as 150 horas de voo restantes precisam ser realizadas por meio de operações independentes.

Essas 150 horas foram cumpridas nos últimos meses, com supervisão total de CAAC, simulando operações oficiais de voos comerciais com o C919. Em uma dessas a nova aeronave visitou o recém-inaugurado no Aeroporto Internacional Daxing, em Pequim, um marco para o país.

Em outra ocasião o C919 fez operações em condição de ambiente gelado, como podemos ver na imagem acima, testando os limites de operação da aeronave.

A China Eastern Airlines, que é estatal, disse anteriormente que espera receber seu primeiro C919 até o final do ano, sendo dois em 2022 e mais dois em 2023. Logo, a produção ainda será em pequena escala nos primeiros anos do C919 no mercado.

O COMAC C919 é bem semelhante com o A320 da Airbus, medindo 38,9 metros de comprimento, 35,8 metros de asa, altura de aproximadamente 12 metros e largura de cabine de 3,9 metros.

Foto – COMAC

No geral está disposto 3 versões para compra que alcança de 156 passageiros até 174 quando em configuração de única classe com alta densidade. A aeronave da COMAC tem uma autonomia de 4075 km. Uma versão de longo alcance pode voar até 5555 quilômetros.

O seu projeto tem participação de empresas americana e europeias para construir diversos sistemas da aeronave, outro passo para a ocidentalização da COMAC. Os motores, por exemplo, são fabricados pela CFM, da mesma linha Leap, que equipa o Airbus A320neo e o Boeing 737 MAX.

Essa é a grande aposta da empresa para concorrer com o Boeing 737 MAX e o Airbus A320neo. A aeronave já acumula mais de 700 encomendas, todas por companhias aéreas da China.

A COMAC está desenvolvendo o C919 há 13 anos, e deve estrear a aeronave com atraso até mesmo em relação ao novíssimo MC-21, fabricado pela Rússia.