Depois de várias companhias se interessarem pelo projeto NMA da Boeing, que foca em criar um avião super-eficiente na faixa de 200 a 300 assentos, a Copa Airlines também declarou seu interesse em colaborar com o possível projeto.

“Os corpos largos existentes não fazem sentido [na nossa frota]”, disse Pedro Heilbron, chefe-executivo da Copa ao Portal FlightGlobal. “Mas o NMA pode ter sentido para a Copa, se isso nos dá mais capacidade e alcance, sem ser uma aeronave dispendiosa, como o 787 ou o A330”.

A Copa é conhecida pelos seus serviços de voos ligando o continente Sul Americano com o Norte Americano, sendo a divisão entre esses dois, para a companhia, a Cidade do Panamá, onde a Copa opera em regime de hub. Através dessa vantagem operacional, a empresa consegue manter uma frota de aeronaves narrowbody, como o Boeing 737 e o  E190 para fazer voos internacionais.

O NMA na frota da Copa, como afirmado pelo chefe-executivo, seria ideal para realizar voos de “longo alcance”, como rotas para Buenos Aires e Los Angeles.

Com o 737 MAX na sua frota, a Copa citou que o NMA deverá ser ao menos comparável ao narrowbody da Boeing, em termos do custo por passageiro transportado. Nesse ponto o 737 MAX 8, e também o MAX 10, é recordista em sua categoria, o jato da Boeing tem custo por assento até 8% menor em comparação com o A320neo, boa parte devido aos 10 assentos a mais, e ao menor peso da aeronave americana.

Os fornecedores da Boeing, bem como as fabricantes de motores, esperam que o lançamento do NMA ocorra ainda em 2018. Você pode conferir mais detalhes Clicando Aqui.