F-35 RAF Ucrânia Estônia
Um F-35B da RAF taxiando na base aérea de Ämari, na Estônia. Foto: RAF.

A Força Aérea Real Britânica (RAF) enviou dois caças F-35B Lightning II para a base aérea de Ämari, na Estônia. Os aviões stealth da RAF se juntaram aos F-35 dos EUA e Holanda, reforçando as atividades de vigilância aérea da OTAN, implantadas por conta do conflito entre Rússia e Ucrânia. 

Os F-35 do histórico esquadrão No. 617 Dambusters, vieram da base aérea de RAF Marham, no condado britânico de Norfolk. Os caças já estavam participando da missão de policiamento aéreo aprimorado da OTAN desde o dia 03/03, operando junto aos Eurofighter Typhoon FGR.4.

Segundo a RAF, Typhoons adicionais da base aérea de Coningsby foram desdobrados na sua base de Akrotiri, no Chipre. Além dos caças, a RAF também tem empregado o avião-tanque A330 MRTT Voyager e o jato de reconhecimento RC-135W Rivet Joint.

“O F-35 é uma aeronave incrivelmente capaz e versátil. Operando ao lado dos Typhoons, eles mantêm a integridade do espaço aéreo europeu e contribuem para a Missão da OTAN”, disse o Capitão de Grupo Philip Marr, Comandante da RAF Marham. “O caça de 5ª geração é uma aeronave líder mundial que pode fornecer simultaneamente Guerra Eletrônica, coleta de inteligência e fusão de sensores inigualável para suportar um amplo espectro de capacidades de combate”.

Segundo o Comando Aéreo Aliado da OTAN, esta nova implantação verá a aeronave baseada junto dos F-16 Fighting Falcon do Componente Aéreo Belga, onde eles estarão melhor posicionados para apoiar a missão da Aliança. O órgão também diz que eles se juntarão a outros caças aliados de 4ª e 5ª geração, realizando patrulhas sobre o espaço aéreo polonês e dos Estados Bálticos. 

“É fantástico ter a RAF aqui. Para os estonianos, ter aeronaves e tropas aliadas extras é um grande apoio para eles, principalmente no que diz respeito à situação de segurança regional. A garantia que a OTAN deu foi absolutamente crucial para os estonianos”, afirma o Embaixador do Reino Unido na Estônia, Ross Allen.

Foto: RAF.

A crise geopolítica na Europa, causada pela invasão russa na Ucrânia, fez com que a OTAN desdobrasse um grande número de aeronaves em seu flanco leste, incluindo aviões de caça, drones, helicópteros de ataque e plataformas de inteligência, vigilância e reconhecimento.

Além disso, países da OTAN tem fornecido uma enorme quantidade de armamentos para a Ucrânia, principalmente mísseis antiaéreos portáteis Stinger e mísseis antitanque NLAW e Javelin. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos tentam negociar com a Polônia a transferência de caças MiG-29 Fulcrum aos ucranianos.