Delta comprará anualmente 10 milhões de galões de biocombustível da Gevo

A Delta Airlines e a fabricante de biocombustíveis Gevo dizem que a companhia aérea comprará 10 milhões de galões (39,4 milhões de litros) de biocombustível anualmente, em um esforço para reduzir a pegada de carbono da companhia e cumprir as metas globais de sustentabilidade da aviação.

A companhia aérea com sede em Atlanta comprometeu-se a um crescimento neutro em carbono e a reduzir as emissões em 50% até 2050.

Embora seja mais caro que os combustíveis fósseis convencionais, o combustível de aviação sustentável pode fornecer benefícios ambientais significativos, porque a pegada de carbono do ciclo de vida pode ser até 75% menor que combustível de aviação convencional, disseram as empresas em comunicado conjunto em 17 de dezembro.

Foto – Divulgação

“Investimentos de longo prazo, como nosso acordo com a Gevo, são críticos para a meta da Delta de reduzir nossa pegada de carbono enquanto planejamos um futuro mais sustentável”, diz Graeme Burnett, vice-presidente sênior de gerenciamento de combustível da Delta. “O combustível é a maior área de impacto de uma companhia aérea e, portanto, apresenta nossa maior oportunidade de impulsionar soluções que cuidam do planeta”.

Gevo acrescenta que o combustível a ser fornecido à Delta é composto de “produtos de milho industriais não comestíveis”, com seu processo patenteado que separa o açúcar das proteínas no produto de milho.

“Os açúcares são então usados ​​para produzir o combustível de aviação, enquanto as proteínas são fornecidas ao gado”, diz a empresa. “Depois de capturar e converter o esterco de gado em digestores de biogás que podem substituir o gás natural baseado em resíduos fósseis, os sólidos produzidos são usados ​​como fertilizantes para os campos, criando assim um ciclo de fabricação renovável e contínuo”.

O acordo da Delta com a Gevo segue um investimento de US$ 2 milhões na Northwest Advanced Biocombustíveis para o estudo de uma instalação para produzir combustível de aviação sustentável e outros produtos de biocombustível a partir de detritos do solo da floresta, anunciado em setembro. O estudo deve ser concluído em 2020, sobre o qual a companhia aérea avaliará as próximas etapas.


Se for bem-sucedido, o projeto de biocombustível da Delta poderá fornecer cerca de 10% de seu consumo anual de combustível de aviação na Costa Oeste e servir de modelo para futuros projetos, informou a companhia aérea em setembro.

O combustível da Gevo será produzido em suas instalações em Luverne, Minnesota, e estará disponível para a Delta entre 2022 e 2023.

 

DEIXE UMA RESPOSTA