Em 21 de junho de 2019, a Guarda Revolucionária do Irã derrubou um avião espião “espião” da Marinha Norte-Americana RQ-4, na Província de Hormozgan.

Aeronaves de Vigilância Marítima de Área Ampla da Marinha dos EUA (BAMS-D), especificamente um drone de Longa Resistência Longa de Altitude Global (HALE) RQ-4A que custa US$ 220 milhões e foi projetado para ser amplamente invulnerável ao ataque.

O Irã alegou que o drone entrou em seu espaço aéreo, mas a administração Trump disse que manteve a aeronave não tripulada operando no espaço aéreo internacional e caracterizou o incidente como um “ataque não provocado”.

O incidente marcou o primeiro ataque direto alegado pelo Irã aos ativos dos EUA, e ocorreu em meio a tensões elevadas entre os EUA e o Irã.

U.S.-Drone-was-in-%E2%80%98Full-Stealth-

O embaixador do Irã nas Nações Unidas, Majid Takht Ravanchi, afirmou que o drone norte-americano derrubado pelo Corpo da Guarda Revolucionária do país estava realizando vigilância ativa e em “modo furtivo completo” quando supostamente entrou no espaço aéreo iraniano e foi neutralizado.

Líder máximo da nação iraniana, aiatolá Ali Khamenei- Foto: Morteza Nikoubazl/ Reuters

 

O embaixador afirmou:

Um sistema de aeronaves não tripuladas dos EUA, decolado de uma das bases das forças militares dos EUA no sul do Golfo Pérsico, conduziu um sobrevoo através do Estreito de Hormuz até o porto de Chabahar em modo sigiloso, pois havia desligado sua identificação. O equipamento estava envolvido em uma operação clara de espionagem.


“Quando a aeronave [dos EUA] estava voando para as partes ocidentais da região perto do Estreito de Hormuz, apesar das repetidas advertências de rádio, entrou no espaço aéreo iraniano onde o sistema de defesa aérea da República Islâmica do Irã, agindo sob o Artigo 51 da Carta das Nações Unidas, abateu a aeronave invasora às 04h05, hora local, na mesma data, nas coordenadas N255943 e E570225, perto da região de Kouh-e Mobarak, no distrito central de Jask, na República Islâmica do Irã”, disse o Irã em comunicado.

O embaixador Ravenchi afirmou ainda sobre o abate do drone:

“A comunidade internacional é chamada a exigir que os Estados Unidos ponham fim às suas medidas ilegais e desestabilizadoras na já volátil região do Golfo Pérsico… Este não é o primeiro ato provocativo dos Estados Unidos contra a integridade territorial do Irã. É lembrado que em todos esses casos, a República Islâmica do Irã protestou oficialmente para os EUA através de sua seção de interesses na Embaixada da Suíça em Teerã.”

O incidente representa uma das únicas vezes em que o Irã foi capaz de testar suas plataformas de defesa antiaérea em combate, com o novo sistema de defesa aérea Khordad 15.

Foto: REUTERS

Assim que soube do abate do drone dos EUA, o Presidente Donald Trump cogitou inclusive uma ação militar contra o Irã, mas cancelou a sua decisão no último momento.

O incidente levantou uma questão séria sobre a tecnologia Stealth. No passado, Rússia e China afirmaram que eles desenvolveram radar anti-stealth que pode rastrear jatos caças americanos Stealth.

Outra ameaça, as aeronaves Stealths:

O sistema russo de defesa aérea S-400 também é uma preocupação por parte dos americanos. Tanto é que os EUA não gostaram da ideia da Turquia adquirir esse sistema juntamente com a compra dos caças Stealths F-35.

Essa questão entre os EUA e a Turquia sempre ganha um novo capítulo e os EUA já ameaçaram mais de uma vez vetar a venda do F-35 aos turcos caso optem comprar o sistema S-400.

“O Sistema de Defesa Russo poderia colocar em risco o F-35 e questões ligadas a defesa norte-americana”, segundo fontes norte-americanas.

Caça F-35A turco- Foto: Lockheed Martin
Sistema de Defesa S-400- Foto: Forças Armadas Russas

A China também reivindicou o desenvolvimento de um novo sistema de mísseis projetado para procurar e destruir caças e bombardeiros Stealth dos EUA.

Aeronaves furtivas são projetadas para evitar a detecção usando uma variedade de tecnologias que reduzem a reflexão/emissão de radar, infravermelho, luz visível, espectro de radiofreqüência (RF) e áudio, coletivamente conhecido como tecnologia stealth.

Embora nenhuma aeronave seja totalmente invisível ao radar, a aeronave furtiva torna mais difícil para o radar convencional detectar ou rastrear efetivamente a aeronave, aumentando as chances de uma aeronave evitar a detecção pelo radar inimigo e evitar ser alvejada com sucesso por armas guiadas por radar.  

F-22A Raptor lançando um míssil ar-ar AIM-120 Advanced Medium Range Air-to-Air Missile (AMRAAM). Foto: USAF

Isso é uma preocupação para nações que tem caças modernos como os EUA que operam caças como F-22 Raptor e F-35, caças estes que tem um alto custo ao EUA e muitos anos de desenvolvimento que com essas possíveis medidas anti-stealth, colocariam em risco tais aeronaves e os pilotos que as comandam.

F-35A lançando AIM-120 AMRAAM, direto de sua baía interna- Foto: Us Airforce

 

Nota do Editor:

As aeronaves Stealth, desde que foram lançadas, foram e são um grande marco dentro da aviação e do cenário de guerra.

Com o avançar dos anos, e da tecnologia, é natural que soluções capazes de detectar e destruir aeronaves stealth sejam apresentadas e criadas.

Não é 100% confirmado ainda que essas radares anti-stealth relamente são eficazes, mas é possível sim que já tenha tecnologia para isso.

Certamente no futuro terão tecnologias que irão limitar estes possíveis novos radares e assim continuamente uma tecnologia ameaçando a outra. Isso é arte da guerra que antes de tudo é um grande jogo de estratégia e inovações.

 

Texto via – fighterjetsworld.com / Com edição por Aeroflap