A GOL e a LATAM são alvos da Operação Antonov deflagrada hoje (03) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

As companhias estão sob suspeita de pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao ex-vice-governador do DF Tadeu Filippelli. Sendo que os crimes ocorreram entre 2012 e 2014. 

De acordo com o MPDFT, há indícios de que as duas companhias aéreas pagaram propina à políticos para redução dos impostos de combustível de aviação na Capital Federal. 

“Essas medidas decorrem de uma investigação do GAECO/MPDFT, instaurada a partir do compartilhamento de anexos da colaboração premiada de Lucio Bolonha Funaro perante o Supremo Tribunal Federal (STF) a fim de apurar o pagamento de vantagem indevida em contrapartida à alteração legislativa distrital que reduziu a alíquota do ICMS de aviação civil de 25% para 12%”, disse o MPDFT em nota. 

Em comunicado, a LATAM afirmou que autoridades estiveram em suas instalações — Academia Corporativa e Hangar II — em São Paulo e que “segue colaborando com as autoridades competentes.”

No âmbito da Operação Antonov serão conduzidos 16 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Espírito Santo e Distrito Federal.

Participam da operação os GAECOS dos respectivos estado, as Polícias Militares de São Paulo e Espírito Santo, Polícia Civil do DF, Centro de Produção Análise, Difusão e Segurança da Informação do MPDFT e Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MPRJ.

Comunicado da LATAM.

De acordo com o Correio Braziliense, a GOL informou que segue cooperando com as autoridades para prestar as informações necessárias. 

Os políticos envolvidos nessa questão já são conhecidos por outros processos envolvendo corrupção e pagamento de propina. O ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha foi condenado a 15 anos e 11 meses, e ainda está cumprindo pena.