Antiga linha de produção do F-16 em Fort Worth, Texas. Foto: Lockheed Martin.

A Força Aérea dos EUA e a Lockheed Martin fecharam uma parceria para abrir uma nova linha de produção do F-16 Block 70/72 nas instalações da própria Lockheed em Greenville, na Carolina do Sul, visando o apoiar a crescente demanda de nações parceiras pelos aviões. 

Recentemente, em nome de cinco parceiros militares estrangeiros, a Força Aérea concedeu à fabricante um contrato de aproximadamente US$ 14 bilhões para construir, até 2026, 128 F-16 na instalação que, atualmente, é a única unidade de produção do modelo no mundo, inaugurada três anos após a longa linha de F-16 da empresa em Fort Worth, Texas, encerrar a produção.

“Esta nova linha de produção é muito significativa“, disse o coronel Brian Pearson, líder da equipe de produto integrado para vendas militares estrangeiras de F-16, com a Diretoria de Caças e Aeronaves Avançadas do Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea, que está liderando os esforços para construir e entregar os novos F-16.

“Existem 25 nações operando F-16 hoje, e eles têm muita experiência com a aeronave. A linha nos ajuda a atender a demanda global que várias nações têm por aeronaves [F-16] e nos dá a capacidade adicional de fornecer a aeronave a países interessados ​​em comprá-la pela primeira vez.”

Linha de produção em Greenville. Foto: Lockheed via USAF.

Desenvolvido originalmente nos anos 70, o F-16 é o caça de Quarta Geração mais produzido até o momento, com mais de 4600 unidades fabricadas e pelo menos 2267 em operação no mundo. O pequeno jato serve à 26 nações e vem sendo atualizado constantemente. Sua última variante, F-16V “Viper” Block 70/72 incorpora múltiplos upgrades nos sensores, aviônicos e suíte de guerra eletrônica. 

De acordo com a USAF, é esperado que os primeiros caças saiam da linha de produção em 2022, e a produção deve aumentar após o primeiro ano. A aeronave será entregue a vários parceiros militares estrangeiros, incluindo Bahrein, Eslováquia, Bulgária, Taiwan e outros, muitos dos quais manifestaram interesse além das primeiras entregas. Além disso, ainda existem pedidos do caça em análise

Projeção artística de um F-16V da Força Aérea Real do Bahrein. Imagem: Lockheed Martin.

“Desde que a linha de produção da Lockheed foi aberta, a AFSAC [Diretoria de Cooperação e Assistência à Segurança da Força Aérea do AFLCMC] viu um aumento nas nações parceiras solicitando informações detalhadas e solicitações para vendas do governo dos EUA”, disse o coronel Anthony Walker, líder sênior de materiais da Divisão Internacional.

“Estamos entusiasmados com a nova carga de trabalho e maiores oportunidades de fornecer capacidades de poder aéreo que fortaleçam as parcerias internacionais e promovam a segurança nacional.”

Além de liderar os esforços para lançar novos aviões, a Diretoria de Caças e Aeronaves Avançadas também está modernizando 405 F-16 – operados por quatro nações parceiras – para o padrão F-16V, que consiste em um novo radar e outras atualizações para torná-los semelhantes para a aeronave que sairá da linha de produção.

“Os F-16 estão operacionais em todo o mundo e são uma capacidade essencial para fortalecer a segurança de nossos parceiros internacionais”, disse o Brig. General Dale White, oficial executivo do programa Fighters and Advanced Aircraft. 

“Cada F-16 que equipamos com nossos parceiros estrangeiros melhora sua capacidade de defender seus interesses e apoiar nossos interesses de segurança mútuos. O calibre e o talento de nossas equipes de escritórios do programa de Vendas Militares Estrangeiras são excelentes e seu impacto é sentido globalmente. O F-16 é um caça compacto altamente capaz e duradouro que terá um grande papel na segurança de muitas nações parceiras nos próximos anos.”

Primeiro F-16V Block 70 da Força Aérea Grega. Foto: Ministério da Defesa da Grécia.