Em uma publicação anterior, apresentamos alguns métodos de que os mecânicos das companhias aéreas utilizam para estocar aviões, procedimentos importantes para manter a integridade das aeronaves, e evitar manutenções desnecessárias.

E para apresentar um pouco mais do trabalho da companhia neste período, a Emirates consultou seus principais especialistas, para explicar como estocar mais de 100 aviões do modelo A380, o maior do mundo no transporte de passageiros, além de algumas unidades dos seus Boeing 777-300ER.

Ahmed Safa, vice-presidente sênior de divisão da Emirates em Engenharia, disse: “A Emirates se move para uma bateria diferente – onde os mais altos padrões são absolutamente fundamentais para todo o ritmo organizacional. Tudo o que fazemos é feito para garantir a melhor experiência do cliente e as pessoas se sentindo seguras e tranquilizadas enquanto voam conosco.”

“Essa filosofia também se estende à nossa equipe de engenharia e como mantemos e protegemos nossa frota multibilionária com o maior número mundial de Airbus A380 e Boeing 777. Não cobrimos apenas nossos motores, mas temos um abrangente programa de estacionamento e reativação de aeronaves que segue rigorosamente as diretrizes e manuais de manutenção dos fabricantes, e temos nossos próprios padrões e protocolos aprimorados.”

“Enquanto uma aeronave de corpo estreito exige apenas cerca de 3-4 funcionários trabalhando por oito horas para manter a estocagem em dia, nossas aeronaves precisam de 4-6 funcionários trabalhando em um turno de 12 horas. E tomar precauções extras, mantendo o distanciamento social, adiciona um toque interessante ao processo.”

 

A frota estacionada e cuidados extras

A Emirates precisou deixar 218, de 270 aeronaves, em um regime de estocagem prolongada. Pelo tamanho dos seus aviões, a companhia precisou deslocar suas aeronaves para outro aeroporto, e portanto, atualmente à 117 aeronaves no Dubai World Central, e 101 no Aeroporto Internacional de Dubai.


Os outros 52 aviões que ficaram em operação estão transportando cargas ou fazendo voos de repatriação, entre a interrupção de trabalho, eles recebem um kit temporário, que protege os tubos de pitot e outros sistemas.

Alguns aviões continuam transportando cargas por todo o mundo.

A Emirates diz que ao todo precisou de incríveis 15500 horas-homem de trabalho para estocar os 218 aviões nos dois aeroportos, contando também com o curto translado que os pilotos realizaram, bem como o indispensável trabalho dos mecânicos.

Algumas das aeronaves ainda foram deslocadas para outro serviço, e estão em manutenção pesada programada nos hangares da Emirates Engineering.

 

Protegendo as aeronaves e sistemas ultra-sensíveis

De acordo com a Emirates, e também citado na matéria do Portal Aeroflap, a aeronave oferece várias aberturas para sistemas e áreas sensíveis, que podem resultar em acúmulo ou entrada de areia, sujeira, água, pássaros e insetos. Já ocorreu de um pássaro fazer um ninho no sistema de ar-condicionado da aeronave.

Por esse motivo, a companhia precisa cobrir todos os tubos de pitot, tomadas de pressão estática e de temperatura, sensores de ângulo de ataque (isso mesmo amigo, o 737 MAX só pegou a tecnologia de outros aviões), bem como as entradas e saídas de ar do motor e da APU.

No interior da aeronave, a Emirates protege os assentos com uma cobertura plástica, para evitar o acúmulo de sujeira nos mesmos. Alguns A380 da companhia são equipados com 615 assentos, resultando em um grande trabalho de conservação do interior.

Mas antes mesmo de tudo, os mecânicos fazem a preservação dos sistemas das aeronaves. 

Os sistemas de água potável e os tanques de combustível das aeronaves são preservados e os sistemas de motores e APU são protegidos. O processo também envolve a lubrificação, limpeza e preservação do trem de pouso e sistemas de controle de voo. A equipe desliga todos os interruptores do cockpit, desconecta as baterias e instala travas da alavanca de controle e persianas na janela do cockpit.

 

Verificações de rotina

Após concluir os trabalhos de proteção e preservação, a equipe realiza verificações periódicas em intervalos de 7, 15 e 30 dias em toda a frota.

Isso pode incluir inspeções simples para garantir que todas as tampas estejam no lugar e que não haja danos visíveis ou vazamentos externos, geralmente um serviço realizado a cada 7 ou 15 dias.

Cockpit do Airbus A380.

As verificações complexas incluem a remoção das tampas e a reativação dos sistemas da aeronave, com o uso dos motores em marcha lenta, sem carga, e dos sistemas de controle de ar e de controle de voo durante os testes com os motores.

 

Reativando a frota

Para reativar uma aeronave não é tão simples, e pode demorar um dia inteiro.

Ahmed Safa disse: “Precisamos de 4-5 funcionários dedicados e pelo menos 18 a 24 horas para colocar uma de nossas aeronaves novamente em serviço. Nossos clientes e funcionários mal podem esperar para ver nossos majestosos A380 e nossos poderosos 777 enfeitando os céus novamente, operando nossos voos regulares e encantando os viajantes em todo o mundo.”

 

DEIXE UMA RESPOSTA