SpaceX Boca Chica Starship
Foto: SpaceX

A SpaceX está há uns bons meses tentando emitir uma licença ambiental com a FAA, que autoriza o uso das suas instalações de Boca Chica, no Texas, para lançar foguetes Starship.

E em sua decisão final sobre a licença ambiental, a FAA decidiu que a SpaceX deverá fazer 75 ações no local, sejam ambientais ou operacionais, para então emitir a licença que autoriza o lançamento de foguetes no local.

Entre as exigências operacionais e ambientais, a FAA solicita que a empresa de Elon Musk  cumpra medidas para proteger a flora e a fauna de acordo com a Lei Nacional de Preservação Histórica. Isso inclui autorizar que um biólogo certificado monitore o local, para verificar a presença de animais selvagens e plantas, bem como se os lançamentos estão afetando a vida biológica local.

A FAA disse que também exigirá notificações em tempo real quando as restrições de acesso ao local começarem, terminarem ou forem canceladas. A agência solicita isso devido ao isolamento de uma rodovia que fica nas proximidades, a Highway 4, durante o período de lançamento.

SpaceX Starship
Estágio “Super Heavy” é equipado com 33 motores Raptor-2, que produzem a potência de 33 aviões Boeing 747, a maior do mundo para o primeiro estágio de um foguete desde o Saturn V, do Programa Apollo.

A SpaceX deverá ficar atenta aos momentos de pausa do tráfego de carros no local, e não poderá realizar esse procedimento durante 18 feriados nacionais, bem como há um limite de horas que a rodovia pode ser fechada nos fins de semana. A FAA pede que a SpaceX não feche a rodovia mais de cinco vezes por ano, para realizar lançamentos do Starship.

A rodovia atravessa Boca Chica Beach, Texas State Parks e o Lower Rio Grande National Wildlife Refuge.

A FAA também exige que a SpaceX remova imediatamente detritos dos lançamentos dos habitats naturais dos animais, se isso ocorrer futuramente.

Segundo o plano de voo apresentado ao órgão, no primeiro voo o Super Heavy deverá cair no Golfo do México após o lançamento e, enquanto isso, o Starship entrará em órbita, irá completar uma volta em torno da Terra e, ao fim do voo, retornará para pousar no Oceano Pacífico. 

 

Foguete que enviará homens para a Lua

O foguete Starship da SpaceX foi selecionado pela NASA para participar do programa Artemis, que tem como foco enviar humanos novamente para a Lua.

Dentro do programa Artemis será o primeiro da NASA com foco em levar humanos até a Lua desde o programa Apollo, da década de 60/70. O foguete da SpaceX será o primeiro a levar humanos para a Lua após o Saturn V, de acordo com a empresa.

Starship SpaceX

Ao mesmo tempo a NASA disse que continua o desenvolvimento do SLS, seu novo foguete que na realidade tem como base os propulsores utilizados no programa do Space Shuttle.

O foguete do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) da NASA lançará quatro astronautas a bordo da espaçonave Orion para sua jornada de vários dias na órbita lunar. Lá, dois membros da tripulação serão transferidos para o sistema de pouso humano (HLS) da SpaceX para a etapa final de sua jornada à superfície da lua.

Ou seja, o foguete da SpaceX que será efetivamente utilizado para pousar na Lua.

Starship NASA SpaceX Lua
Ilustração do projeto do módulo de pouso humano da SpaceX Starship que transportará os astronautas da NASA para a superfície da Lua durante a missão Artemis.

Após aproximadamente uma semana explorando a superfície, eles embarcarão no módulo de pouso para sua curta viagem de volta à órbita, de onde retornarão a Orion, da NASA, juntamente com outros astronautas, antes de retornar à Terra.

O esquema utilizando módulos de pouso e navegação é bem semelhante ao Programa Apollo, porém, agora há dois foguetes envolvidos em cada missão.

O contrato de desenvolvimento do Starship sob o programa Artemis tem um valor total de US$ 2,89 bilhões, e foi assinado recentemente entre a agência e a SpaceX.

A Força Aérea dos EUA também está interessada em lançamentos com o Starship, assim como a SpaceX planeja utilizar o foguete para, inicialmente, colocar os satélites Starlink de 2ª geração em órbita. Mandar homens para Marte é um buraco mais embaixo para Elon Musk.