Delta Boeing 717
Foto: Delta Airlines/Divulgação

A FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA) emitiu nesta semana uma diretriz com novos procedimentos operacionais, que devem ser realizados pelos pilotos para evitar a interferência de sinais de 5G, utilizado na telefonia móvel.

De acordo com a agência, os sinais de 5G podem causar interferência significativa nos sistemas das seguintes aeronaves: Boeing 707, 717, 727, e McDonnell Douglas DC-8, DC-9, DC-10, MD-80/-90 e MD-11.

Em alguns aviões, como no caso do Boeing 717, os pilotos devem desacoplar o piloto automático momentos antes de iniciar a aproximação final para pouso, para evitar falhas do sistema.

A diretriz da FAA relata que esses aviões podem sofrer interferência nos sistemas de radioaltímetro, o que pode resultar em funcionamento impreciso do sistema anticolisão, além de outros sistemas, como o TCAS que previne colisão com outros aviões e o próprio piloto automático.

O problema do 5G envolvendo a aviação está concentrado na Banda C, utilizado para a comunicação da aeronave com os satélites as frequências entre 3700 a 3980 MHz. Os sinais de 5G na mesma banda podem interferir nos radioaltímetros de aeronaves, que usam a faixa de 4200-4400 MHz. 

Como um sonar, o equipamento é capaz de medir o tempo que a onda é emitida do avião até ser refletida pelo solo logo abaixo do mesmo. Os dados do radioaltímetro resultam no cálculo da altitude do avião em relação ao solo, com base no tempo entre a emissão e recepção.

A FAA também observa que os pilotos devem estar preparados para cumprir procedimentos de comandos manuais no avião, a qualquer momento, assim que um comportamento suspeito do altímetro foi detectado.