Bombardeiros B-1B Lancer e B-52H Stratofortress na base aérea de Guam. Foto: autor desconhecido

A Boeing recebeu um contrato da USAF, por meio do Centro de Gerenciamento de Ciclo de Vida da USAF, para modernização, remotorização (somente para o B-52) e atualização do pacote de armas dos bombardeiros estratégicos B-1B Lancer e do clássico B-52H Stratofortress.

Sobre o B-52H, já era de conhecimento do público que os Estados Unidos querem prolongar a vida útil deste clássico da aviação militar, o que inclui a troca dos motores da aeronave.

O B-52H já havia passado por atualizações entre os anos de 2013 e 2015, e outras atualizações mais recentes como o consentimento da USAF em armar o B-52H com um novo míssil.

O bombardeiro já completou 60 anos de serviço, e com todas as atualizações, a USAF pretende voar o bombardeiro de oito motores até 2050.

O B-1B Lancer, um bombardeiro supersônico e com asa de geometria variável também entrará neste pacote de modernização que deve acontecer em Oklahoma City. Os trabalhos com as aeronaves devem ser concluídos em 2029 e devem atender mais os B-52H. O valor disso gira entorno de US$ 14 bilhões.

A USAF voará o B1B Lancer até 2030, quando acontecerá por completo a substituição deles pelos novos bombardeiros B-21 Raider da Northrop Grumman, que também irão ocupar o lugar do bombardeiro B-2 Spirit.