Força Aérea dos EUA F-22
F-22 Raptors da USAF Foto- U.S. Air Force Tech Sgt. Carlin Leslie

Em mais uma demonstração sobre o futuro do orçamento da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), o General CQ Brown, chefe do Estado-Maior, declarou alguns pontos para melhorar a eficiência dos gastos com os seus caças.

Primeiramente Brown declarou que poucos investimentos serão realizados para atualizar os caças F-22 Raptor nos próximos anos, que está em vias de ser substituído.

O motivo é focar os investimentos no novo projeto, chamado de Next Generation Air Dominance, ou NGAD, um caça de 6ª geração substituto do F-22.

Next Generation Air Dominance (NGAD). Imagem: Lockheed Martin

A USAF também vai trabalhar para simplificar sua frota de caças ao longo da próxima década, diminuindo de sete para quatro modelos disponíveis.

Atualmente a Força Aérea dos EUA tem à disposição os caças F-22 Raptor, F-15C/D Eagle, F-15E Strike Eagle , F-15EX Super Eagle, F-35 Joint Strike Fighter , F-16 Fighting Falcon e A-10 Thunderbolt.

A-10C Thunderbolt II e um F-22 Raptor- Foto Ten. Sam Eckholm

Com a redução, a USAF passará a contar com os caças F-35, F-15EX, F-16, e o Next Generation Air Dominance. O A-10 também continuará, mas com uma atualização e apenas para treinar pilotos.

Com essa declaração também podemos ver a intenção dos EUA em substituir todos os modelos anteriores do F-15 (C/D e E) pela nova geração, o F-15EX, que teve sua primeira unidade entregue à USAF recentemente.

Outro ponto interessante é a continuidade do F-16, apesar do F-35 também estar na frota, e em maior quantidade. Criado entre a década de 70 e 80, atualmente o F-16 é o caça mais versátil e utilizado do mundo.

Contudo, apesar dos quatro modelos, a USAF já está utilizando Aeronaves Não Tripuladas que substituem os caças, e não entram nessa conta apresentada pelo General CQ Brown.

Caça F-22 Raptor- Foto: USAF

Substituir o F-22, no entanto, não será nada fácil, devido à necessidade de desenvolver um avião que não existe. O caça de 5ª geração criado ao longo da década de 90 conta atualmente com 186 unidades na frota da USAF. O planejamento é aposentar todos até 2039, se o desenvolvimento do NGAD for tão rápido como do primeiro protótipo.

O programa do Next Generation Air Dominance (NGAD) segue como secreto, e apesar do primeiro protótipo já ter voado, de acordo com a Força Aérea, não há informações ou fotos do mesmo.

O F-22 foi por várias vezes divulgado na imprensa e pela própria Força Aérea dos EUA como uma aeronave revolucionária, no entanto, a contrapartida de todo esse avanço há mais de 20 anos foi um altíssimo custo de produção, juntamente com um alto custo de manter o caça na frota.

Algo que pode ajudar na redução de custos de operação do novo NGAD é o novo motor desenvolvido pela GE Aviation, que promete reduzir em até 25% o consumo de combustível sem afetar o desempenho.

Atualmente a Lockheed Martin não fabrica o F-22, e todo o ferramental está estocado para evitar o repasse da tecnologia para outros países, que fazem versões próprias “concorrentes” do F-22, como o Su-57, da Rússia, e o J-20, da China.

 

Via: Defense One