França Dassault Mirage 2000C aposentadoria
Onze caças Mirage 2000C do esquadrão de caça EC 2/5 Île-de-France concluíram seus 33 anos de serviço na França. Foto: Força do Ar e Espaço Francesa.

Uma era se encerrou na Força do Ar e Espaço da França com a aposentadoria de seus 11 caças Dassault Mirage 2000C e a desativação do último esquadrão a usar os aviões, o EC 2/5 Île-de-France. 

Na última quinta-feira (23), a unidade da Base Aérea de Orange-Caritat (BA 115) cumpriu sua última missão operacional com os Mirage 2000. Os jatos de combate, no entanto, ainda participarão do desfilhe aéreo da Queda da Bastilha, no dia 14/07.

Este também não é o capítulo final para o EC 2/5: o esquadrão que nasceu na Segunda Guerra Mundial será reativado em 2024 com os caças Dassault Rafale, sucessor natural da Família Mirage.

O Mirage 2000C é mais um modelo da década de 1980 que chega ao fim de sua vida operacional. A variante 2000C, a primeira, entrou em serviço na França em 1984 e recebeu atualizações ao longo dos anos de serviço, como os radares Thales RDI, motores Snecma M53-P2 mais potentes e um novo sistema de contramedidas defensivas, o Spirale, da Matra. 

Para marcar o encerramento de suas atividades e o fim do 2000C na França, o EC 2/5 pintou um dos Mirage com um esquema especial de cores preta e cinza, junto dos dizeres “Missão Cumprida” nas famigeradas asas em delta. 

Mirage 2000C França pintura aposentadoria
Missão Cumprida! Um dos últimos 11 Mirage 2000C da França com sua pintura de despedida. Foto: Katsuhiko Tokunaga/EC 2/5.

Ao lado de outro Mirage com uma pintura especial (esta celebrando os 80 anos do esquadrão), o caça esteve na fileira frontal de um exercício Elephant Walk na BA 115 no início de junho. A Força Aérea Francesa também publicou um vídeo celebrando os 33 anos de operação da aeronave.

A desativação dos veteranos aviões faz parte da reestruturação da Força Aérea. Dessa forma, o EC 2/5 já estava aguardando a aposentadoria dos seus vetores, realizando apenas 20 voos ao menos e relegando suas atividades apenas ao treinamento e formação de pilotos para o Mirage 2000D, de ataque ao solo, e o mais moderno e capaz Mirage 2000-5F de defesa aérea.

No dia 09/06, o Île-de-France fez seu último voo de policiamento aéreo, passando o bastão para os Rafales da BA 118 Mont-de-Marsan. Para esta missão, os Mirage 2000C contavam apenas com os mísseis de curto alcance Matra Magic II e seus canhões DEFA 554 de 30mm.

Os mísseis Super 530D, de médio alcance e guiados por radar semi-ativo, foram aposentados em 2012, deixando o Mirage 2000C em uma enorme desvantagem quando comparado com a grande maioria dos caças modernos do mesmo porte, como o F-16, J-10 e JAS-39 Gripen. 

Quando entrou em serviço, o Mirage 2000 estava entre os caças do estado da arte, incorporando potentes motores e alta manobrabilidade com sistema fly-by-wire. No entanto, os radares RDM eram problemáticos e foram substituídos pelo RDI posteriormente. 

Mirage 2000C Elephant Walk França Orange
Foto: BA 115/Força do Ar e Espaço Francesa.

Além de atuar como um caça-interceptador, o Mirage 2000C poderia realizar missões de ataque ao solo com foguetes, bombas de emprego geral, bombas antipista e de fragmentação, além das GBU-12 Paveway II guiadas a laser. 

O 2000C evoluiu para o 2000-5, uma versão multimissão que pode usar os mísseis MICA, guiados por calor ou radar ativo, mísseis ar-solo de cruzeiro e antinavio e outros materiais bélicos. No cockpit, três telas digitais multifunção e uma para o radar substituíram o mostrador único. 

Foto: Força do Ar e Espaço Francesa.

O 2000-5F, que na França realiza apenas missões ar-ar, seguirá em serviço até meados de 2030, ao lado do Mirage 2000D e o Mirage 2000B de treinamento. Além da França, Peru, Taiwan, Catar, Grécia, Egito e  Índia ainda operam o 2000 em diversas variantes. 

O Brasil foi o primeiro a aposentar seus Mirage 2000 em 2013. Os Emirados Árabes Unidos, que possuem o Mirage 2000-9 mais moderno, estão aposentado seus aviões. No final de 2021 o país ainda anunciou uma histórica encomenda de 80 caças Rafale