Gripen amraam sidewinder Hungria OTAN
Um par de caças JAS-39C da Hungria armados com mísseis AIM-9 Sidewinder e AIM-120 AMRAAM. Foto: OTAN - Comando Aéreo Aliado.

A Força Aérea da Hungria (HuNAF) assumiu na sexta-feira (29) a missão da OTAN de Policiamento Aéreo no Baltico (BAP). Pelos próximos quatro meses, um destacamento de cinco caças Saab JAS-39 Gripen húngaros ficará responsável pela defesa aérea da região. 

A Espanha passou a liderança da missão à HuNAF em uma cerimônia na Base Aérea de Šiauliai, na Lituânia, marcando também a 60ª rotação da missão. A Hungria ainda contará com apoio da Luftwaffe (Força Aérea da Alemanha), que destacou caças Eurofighter Typhoon em Ämari, na Estônia. 

Os EF-18 Hornet da Espanha permanecerão na Estônia, em apoio à Atividade de Vigilância Aprimorada (eVA), ao lado de caças CF-188 Hornet do Canadá e Typhoon da Força Aérea Italiana. 

Além disso, um destacamento de cinco Gripens da República Tcheca permanecerão na Lituânia “como uma nação ampliada para conduzir patrulhas aéreas em apoio ao reforço aéreo da OTAN ao longo do flanco leste.”

“À luz da pior agressão militar na Europa em décadas, esta cerimônia é de grande importância por duas razões – mostra a força e a coesão da OTAN e demonstra de forma impressionante que os Aliados continuam a apoiar uns aos outros para fornecer dissuasão significativa. diante de ações agressivas, garantiremos segurança e estabilidade duradouras para a Europa”, disse o Brigadeiro-General David Morpurgo, vice-comandante do Centro de Controle e Comando Aéreo Implantável em Poggio Renatico, Itália.

OTAN Policiamento Aéreo Báltico
Foto: OTAN.

“Além da missão de policiamento aéreo, fornecemos atividades de vigilância aprimoradas realizando patrulhas de fronteira acima dos três estados bálticos ou patrulhas aéreas de combate na Polônia, oferecendo à OTAN uma resposta armada imediata”, disse o Tenente-Coronel David Soto Martínez, comandante do destacamento espanhol.

“Também realizamos missões de treinamento e participamos de exercícios com outras nações aliadas, demonstrando a interoperabilidade Conjunta e Combinada dos ativos espanhóis dentro da OTAN”, acrescentou.

Foto: OTAN.

A cerimônia também marcou a quinta participação da Força Aérea Espanhola na BAP, duas vezes como nação líder operando em Šiauliai e três vezes como nação ampliadora, operando em Ämari.  

Cinco aeronaves Gripen húngaras e mais de 80 militares da 59ª Base Aérea Szentgyörgyi Dezső continuarão a missão até novembro, para garantir a segurança do espaço aéreo aliado na região do Mar Báltico.

Gripen Policiamento Aéreo Báltico Hungria OTAN
Foto: OTAN.

“A Hungria está participando pela terceira vez da missão de policiamento aéreo do Báltico. É uma prova de solidariedade aliada e demonstra o compromisso dos Aliados” disse o comandante do destacamento húngaro, Tenente-Coronel Attila Ványik.

“Estamos todos totalmente preparados, determinados, vigilantes e prontos para proteger os céus da Estônia, Letônia e Lituânia, fornecendo uma resposta rápida a qualquer ameaça de segurança na região junto com nossos camaradas alemães e italianos.”

A OTAN é responsável pela defesa aérea do Báltico desde 2004, quando Estônia, Letônia e Lituânia se juntaram à aliança militar liderada pelos EUA. Desde então, os países membros se revezam regularmente para cumprir a missão.

Normalmente, um destacamento de quatro a cinco caças e 50 a 100 militares são enviados para o norte europeu. As aeronaves são acionadas diversas vezes, ao ponto em que a interceptação de caças, bombardeiros e aviões de transporte e guerra eletrônica da Rússia já é algo rotineiro. 

Com informações do Comando Aéreo Aliado.