Foto: Força Aérea Brasileira

Desde que a Força Aérea Brasileira (FAB) abriu as portas para as primeiras mulheres incorporarem seu efetivo, em 1982, novos capítulos dessa história continuam a ser escritos, dia após dia, com a competência e o empenho necessário para superar os desafios.

Mulheres militares seguem ocupando novos espaços e protagonizando experiências de pioneirismo, como é o caso da Major Aviadora Marcia Regina Cardoso, que, aos 38 anos, tornou-se a primeira mulher a comandar uma unidade militar operacional da FAB, o Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º/1° GCC).

A passagem de comando ocorreu em janeiro, na Base Aérea de Santa Cruz (BASC), no Rio de Janeiro, e o fato se somou às diversas conquistas da carreira da Major, que inspira outras militares e também mulheres civis que sonham em ingressar nas Forças Armadas.

Em 2006, ela se formou Aspirante a Oficial na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP), compondo a primeira turma de mulheres aviadoras da FAB.

Foto: Força Aérea Brasileira

“Estudei em colégios militares em Brasília e no Rio de Janeiro. Meu pai, também militar, foi quem me informou sobre o concurso, que tinha 20 vagas só para mulheres. A prova foi em um estádio esportivo, com muitas candidatas.”

“Quando comecei o curso, tudo era muito novo. Lembro que estudava muito, até tarde da noite. Havia muita responsabilidade e muitas expectativas. Não tinha diferenciação entre homens e mulheres, mas eu sabia que precisava dar o melhor para contribuir com o início dessa jornada”, conta a Major.

Nos anos seguintes, tornou-se a primeira mulher piloto de Busca e Salvamento da FAB. Ao longo da carreira, atuou em missões de grande relevância, como a busca de uma aeronave desaparecida em Boa Vista (RO), em 2011, e a missão humanitária de amparo às vítimas das chuvas no Espírito Santo, em 2014.

“É gratificante poder ajudar a população. No caso de Boa Vista, lembro da emoção que senti quando avistamos um sobrevivente e pudemos coordenar o seu regresso, a salvo, para a sua família. Aquela cena nunca sairá da minha cabeça”, relata a Oficial.

A Major Marcia foi promovida ao atual posto em 31 de agosto de 2019. Concluiu todos os cursos acadêmicos de carreira e diversos treinamentos operacionais. Possui cerca de 1.300 horas de voo e ocupou cargos de chefia de diversos setores nas OM pelas quais passou. Foi condecorada com a Medalha Militar de Bronze e a Medalha Mérito Santos-Dumont.

 

Uma Família militar

Foto: Força Aérea Brasileira

O ambiente militar faz parte da vida da Major Marcia desde a infância. Ela é filha do ex-comandante do Centro de Doutrina do Exército Brasileiro, General de Divisão Jose Carlos Cardoso.

“Eu e minha família nos orgulhamos da Marcia pelas suas conquistas e desafios vencidos ao longo da carreira na FAB; pela mãe que é e pela mulher determinada, corajosa e solidária, cujo exemplo e força nos contagia a todos”, elogia o pai da Major.

A Major é irmã do Chefe da Seção de Doutrina do Comando da Quinta Brigada de Cavalaria Blindada, o Major de Cavalaria Daniel Lafratta Cardoso, e, de Patricia Lafratta Cardoso Baksys.

A Oficial é casada com o Chefe da Divisão de Operações do 1º GCC, Major Aviador Renan dos Santos Cardozo, e tem uma filha de seis anos.

“A Marcia sempre foi muito dedicada às atividades operacionais, principalmente no período em que atuava na Aviação de Busca e Salvamento.”

“Voou diversas aeronaves da Força Aérea Brasileira, participando de várias missões reais de busca e de exercícios militares. Além disso, nunca deixou de ser uma esposa carinhosa, mãe dedicada e participativa. Nossa família se orgulha muito da mãe, esposa e profissional que a Marcia se tornou. Esperamos continuar dando todo amor e suporte possível a ela nessa nova fase”, finaliza.

 

 

Com informações, Força Aérea Brasileira – FAB.