Bombardeiros B-1B da USAF e caças F-35A da Noruega durante manobras conjuntas em 2020. Foto: USAF.

Na última sexta-feira (26) a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) conduziu manobras com seus bombardeiros supersônicos B-1B Lancer em conjunto com caças F-35A Lightning II da Força Aérea Real da Noruega (RNoAF) sobre a zona oriental do Mar de Barents. 

Não é a primeira vez que os B-1B sobrevoam a região, no entanto, é a primeira vez que fazem isso operando a partir de bases aéreas da Noruega.

As aeronaves da 7ª Ala de Bombardeiros estão destacadas na Noruega para um exercício de Força Tarefa de Bombardeiros (BTF, Bomber Task Force), onde operam integradas aos caças de quinta geração da força aérea local. 

“É apropriado dar início a este BTF com uma missão que destaca nossa capacidade de integração com nossos aliados noruegueses em vários domínios”, disse o General Jeff Harrigian, comandante das Forças Aéreas dos EUA na Europa e África. 

O site The Aviationist explica que as manobras realizadas na sexta são interessantes pela sua localização. A zona sobrevoada pelos bombardeiros americanos e caças noruegueses é conhecida por “Quintal da Marinha Russa” ou “Quintal Naval Russo”, uma região de responsabilidade da Frota do Norte da Marinha Russa. 

Segundo o portal, os submarinos de mísseis balísticos da Frota do Norte são responsáveis pela capacidade de ataque nuclear secundário da Rússia, ou seja, tem uma grande importância estratégica para o país.

A presença de bombardeiros norte-americanos deve aumentar as tensões geopolíticas na região. Assim que as aeronaves americanas chegaram na Estação Aérea de Orland, o navio cruzador de mísseis guiados da Marinha Russa Marshal Ustinov foi relatado perto da fronteira com a Noruega

Citando o Barents Observer, o The Aviationist afirma que “nenhum navio de guerra russo foi monitorado tão perto da fronteira marítima da Noruega no fiorde de Varanger em qualquer momento da história pós-soviética.”

No ano passado a Força Aérea Americana conduziu uma série de voos e deslocamentos de longa distância na região nórdica com seus B-1B Lancer.

Os voos desse ano e de 2020 também contam com participação da Força Aérea Sueca com seus caças JAS-39 Gripen.

Caças JAS-39 Gripen e bombardeiros B-1B Lancer. Foto: Força Aérea Sueca.

Carl-Johan Edström, chefe da Força Aérea Sueca e diretor de exercícios explica que “Os exercícios conjuntos são vitais para aumentar nossa capacidade militar; ou seja, exercício de garantia de interoperabilidade e garantia de que temos métodos e procedimentos comuns.”

“Estamos muito bons nisso agora, graças à nossa experiência de exercícios conjuntos anteriores.” completou o militar. 

Nessa semana a RNoAF deslocou caças F-35A para a Islândia em missão de policiamento aéreo, ao passo que na semana passada a USAF aposentou o primeiro de 17 bombardeiros B-1B.