J-20 China pós-combustão
Caça J-20 da PLAAF decolando com os motores em pós-combustão. Foto via Reddit.

A China já está testando o motor Xian WS-15 Emei, novo motor turbofan que equipará seu caça de quinta geração, o Chengdu J-20. Com o novo motor, o “Mighty Dragon” estará mais próximo do F-22 dos EUA em termos de performance. 

Segundo a rede de televisão estatal China Central Television (CCTV), o WS-15 já passou por uma série de testes bem-sucedidos. O motor turbofan com pós-combustão foi desenvolvido para caças pesados ​​e médios de quinta geração, apresenta baixa razão de bypass e pode ser equipado com bocais móveis, o chamado empuxo vetorado (TVC). 

Com os testes, todos os parâmetros do WS-15 foram melhorados e otimizados, informou a CCTV no último domingo, observando que o WS-15 mais potente deverá substituir os motores usados no J-20 atualmente: o Shenyang WS-10B/C chinês e o Saturn AL-31F russo. 

O J-20 é o maior caça de quinta geração em operação no mundo, e o único que usa a configuração delta-canard. A China reconhece que os motores atuais não são suficientemente potentes para o caça e já vem anunciando o desenvolvimento do Emei há alguns anos. 

Segundo uma fonte militar do Business Insider, Pequim já iniciou o processo de fabricação do WS-15. Quando estiver equipado com o novo motor, o J-20 estará um passo mais próximo de rivalizar com o F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA. 

Andrei Chang, editor-chefe da revista canadense Kanwa Asian Defense Monthly, disse que embora a atualização do motor WS-15 possa aproximá-lo do F-22 em termos de performance (bem como o F-35 multimissão), o F-22 fabricado pela Lockheed Martin “continuaria sendo uma ameaça ao Exército de Libertação Popular”.

F-22 baia EUA USAF
Caça F-22 da USAF com suas baias de armas abertas. Foto: André Magalhães – Aeroflap.

O F-22 “ainda é o caça mais poderoso do mundo”, disse Chang. “Além de seus poderosos motores, o F-22 está equipado com tantas tecnologias avançadas que ainda permanecem misteriosas” ao restante do mundo.

As forças armadas da China atualmente operam uma frota de cerca de 50 J-20. Em comparação, a USAF têm mais de 180 F-22 ativos. O Raptor foi originalmente concebido para substituir o F-15 Eagle, mas Washington decidiu em 2011 interromper a produção do modelo devido ao seu alto custo e manutenção cara. Então, o F-35 é agora o principal desafio para o J-20 da China, até mesmo por estar presente nas forças aéreas do Japão e Coreia do Sul. 

Veja mais: Caças F-35 dos EUA voaram com o J-20 chinês no Mar da China Oriental

O F-22 usa dois motores Pratt & Whitney F119 com vetoração de empuxo no eixo vertical, dando capacidades de supermanobrabilidade ao jato norte-americano. Já o F-35 monomotor usa o PW F135, que possui TVC apenas no F-35B de pouso e decolagem vertical. Os EUA também planejam um motor novo para o F-35, na forma do General Electric XA100, devendo ser integrado ao caça a partir de 2027. 

Lockheed Martin F-35A Lightning II.
Lockheed Martin F-35A Lightning II.

Zhou Chenming, pesquisador do think tank chinês de ciência e tecnologia militar Yuan Wange, disse que o motor norte-americano ainda está cerca de uma década à frente do WS-15 em termos de tecnologia.

“A China até agora apenas igualou os motores americanos em algumas áreas, mas não no desempenho geral. Também não faz sentido enfatizar uma área porque o confronto militar é uma competição de sistemas e de capacidades operacionais conjuntas”, disse Zhou.

“Os americanos ainda dominam o céu na Ásia-Pacífico porque não é intenção da China desafiar a superioridade aérea dos EUA [na região]”, acrescenta o pesquisador.

J-20 taxi china
Caças J-20 da Força Aérea do Exército de Libertação Popular (PLAAF) taxiando. Foto via @HenriKenhmann

A China começou a desenvolver o motor WS-15 no início dos anos 1990, mas o projeto atrasou, de acordo com a matéria da CCTV. Por conta dos percalços, a Chengdu teve que instalar o AL-31 nos primeiros J-20. O motor russo é usado nos caças russos da Família Su-27 Flanker.

Com a implantação do F-35 na região, a China acelerou o desenvolvimento do J-20, que entrou em operação em 2017. Em 2021, foi revelada uma versão de dois assentos do J-20.