• Instagram
  • Feed
  • Telegram
  • Youtube

Pentágono segue procurando por OVNI derrubado no Michigan

Caça F-16 Fighting Falcon disparando um míssil ar-ar AIM-9X Sidewinder, o mesmo usado para derrubar uma série de OVNIS e um balão chinês nos Estados Unidos e no Canadá. Foto: USAF.
Caça F-16 Fighting Falcon disparando um míssil ar-ar AIM-9X Sidewinder. Foto: USAF.

Equipes do Departamento de Defesa dos Estados Unidos seguem à procura de um objeto voador não identificado (OVNI) derrubado sobre o Lago Huron, no Michigan, no último domingo (13). A interceptação, realizada por dois caças F-16, foi a terceira do tipo em três dias consecutivos. 

Em comunicado publicado ontem, o Pentágono confirmou que continua procurando pelos destroços do objeto não identificado, que pode ter caído no lado canadense do lago. A operação é apoiada pelo Governo do Canadá, que no dia anterior autorizou o abate de outro OVNI dentro de seu espaço aéreo, por um F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA. As investigações são lideradas pelo FBI ao lado da Real Polícia Montada Canadense. 

Caças F-16 da 148º Ala de Caça derrubaram OVNI no Lago Huron. Unidade é especializada na destruição de radares inimigos. (SEAD). Foto: Liz Kaszynski/148th FW.

Caças F-16 da 148º Ala de Caça derrubaram OVNI no Lago Huron. Unidade é especializada na destruição de radares inimigos. (SEAD). Foto: Liz Kaszynski/148th FW.

Radares do  Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte, o NORAD, detectaram o alvo em forma de octógono pela primeira vez às 16h45 de sábado, quando estava no espaço aéreo canadense a cerca de 110 quilômetros ao norte da fronteira com os Estados Unidos. Ainda naquele sábado a FAA publicou um NOTAM, fechando parte do espaço aéreo do Michigan para uma “operação de defesa aérea”; em seguida, dois caças F-15C Eagle e um avião-radar E-3 Sentry operaram na área, mas não encontraram nada. 

Às 14h42 de domingo, os F-16CM da 148ª Ala de Caça, apoiados por um E-3 e um reabastecedor KC-135, derrubaram o objeto, empregando mísseis AIM-9X Sidewinder, de curto alcance e guiados por calor.

“À luz do balão da República Popular da China que derrubamos no último sábado (04), examinamos mais de perto nosso espaço aéreo nessas altitudes, inclusive aprimorando nosso radar, o que pode explicar, pelo menos em parte, o aumento de objetos que detectamos ao longo na semana passada”, disse Melissa Dalton, secretária adjunta de defesa para defesa interna e assuntos hemisféricos. 

O Pentágono afirma que o objeto derrubado neste domingo sobrevoou locais sensíveis do Departamento de Defesa, e sua altitude de cerca de 20.000 pés representou um perigo potencial para a aviação civil. O general da Força Aérea Glen VanHerck, comandante do NORAD, diz que houve muita cautela no abate para evitar possíveis danos colaterais. 

 

Quer receber nossas notícias em primeira mão? Clique Aqui e faça parte do nosso Grupo no Whatsapp ou Telegram.

 


Estudante de Jornalismo na UFRGS, spotter e entusiasta de aviação militar.