Motor F130 - Foto: Rolls-Royce

A Rolls-Royce concluiu testes iniciais de motores com o F130 para o Programa de Substituição de Motores dos B-52 Stratorfortrees da USAF.

A USAF quer manter os clássicos B-52 da década de 60 voando até 2050, isso mostra que apesar de antigo o B-52 ainda tem um grande cunho estratégico para os EUA. Mas para isso acontecer é claro que precisa de um completa modernização, o que inclui sistemas, peças, aviônica e motores.

Os testes de motor foram concluídos recentemente nas instalações da Rolls-Royce em Indianapolis, EUA, confirmando que o design e o desempenho do motor são perfeitos para a aeronave B-52. Além dos testes de motor completo, a Rolls-Royce já compilou mais de 50.000 horas de tempo de engenharia digital para desenvolver e refinar ainda mais o F130 para o B-52.

B-52 Stratofortress da U.s Airforce

Adam Riddle, Rolls-Royce, vice-presidente executivo de desenvolvimento de negócios e programas futuros, disse: “O motor Rolls-Royce F130 para o B-52 faz parte de uma família comprovada e eficiente de motores com milhões de horas operacionais. ‘Estamos empolgados com os resultados de nossos testes em Indianápolis, pois continuamos demonstrando que o motor F130 é o ajuste perfeito para o B-52. O F130 é a opção moderna e acessível para este icônico avião da Força Aérea dos EUA”, conclui.

O motor F130 para o B-52 pode produz 17.000 libras de empuxo e é uma variante do comprovado e confiável motor comercial Rolls-Royce BR725. A série F130 de motores já aciona aeronaves da frota da Força Aérea dos EUA, incluindo as aeronaves E-11A e C-37, com mais de 200.000 horas de operações de voo de combate.

B-52H Startofortress. Note a roda recolhida na ponta da asa

Se o motor F130 for selecionado para o programa de substituição de motores B-52, a Rolls-Royce estabelecerá uma linha de montagem em Indianápolis em sua instalação de fabricação avançada e adicionará mais de 150 novos empregos em fabricação, engenharia, gerenciamento de programas e outras posições.

Em relação aos motores não é apenas a inglesa Rolls- Royce que está na jogada, as norte-americana Pratt & Whitney e GE também está competindo para fornecer oito motores para equipar o bombardeiro.

Fonte de apoio: Rolls-Royce / Edição: Aeroflap