Antonov An-225 Kiev Gostomel
Foto: Autor Desconhecido

O Antonov An-225, conhecido também como o maior avião do mundo, ficou destruído após vários ataques da Rússia contra o Aeroporto de Gostomel, nas proximidades de Kiev, no final de fevereiro.

Com quase três meses após ser destruído em decorrência da guerra na Ucrânia, finalmente os destroços do maior avião do mundo estão sendo retirados.

Sem saber quem de fato destruiu o An-225, o russos acusam a própria Ucrânia de ter destruído a aeronave, no entanto, há outra versão ucraniana que aponta a destruição como uma grande ofensiva russa para tomar o controle do local, sendo esta a versão mais aceita devido ao relato de testemunhas locais.

Em um vídeo que está circulando nas redes sociais, é possível ter uma melhor dimensão do que sobrou do ‘maior avião do mundo’, veja abaixo:

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por AEROFLAP (@aeroflap)

 

Aliás, qual o investimento para concluir um novo Antonov An-225?

Avião Antonov An-225 Ucrânia
Foto: Dubai Airport

Originalmente o Antonov foi criado para realizar um transporte especial do ônibus espacial Buran. Como o projeto não foi a frente, o AN-225 foi designado para fazer o transporte de grandes quantidades de cargas pelo mundo, durante a pandemia de Covid-19 ele foi essencial por levar muitos suprimentos ao mesmo tempo.

Único no mundo, a fabricação de um novo An-225 será praticamente artesanal, mesmo se não houver danos à segunda fuselagem, durante um recente ataque contra a fábrica da Antonov em Kiev.

Estima-se que o custo para lançar um projeto novo, literalmente do zero do An-225, os valores ultrapassem os US$ 1 bilhão com as atualizações e modificações mais recentes.

Em 2012 o CEO da Antonov declarou quanto custaria para concluir o segundo An-225: No total seria preciso investir cerca de US$ 460 milhões. Com os avanços tecnológicos na fabricação de aeronaves, muitos componentes e computadores com sistemas mais econômicos e avançados teriam de ser desenvolvidos fora da Rússia e a Ucrânia.