TAP Embraer

Recentemente a TAP, companhia aérea portuguesa, anunciou que pretende deixar sua atual sede nas proximidades do Aeroporto de Lisboa para um edifício mais próximo do futuro novo terminal da cidade, o Aeroporto Alcochete.

A mudança será realizada para que a TAP economize cerca de 50 milhões de euros seriam em reformas no prédio onde a empresa instala suas sedes. Foi realizada uma vistoria na atual sede da empresa que constatou que seriam necessárias reformas imediatas nas estruturas do prédio.

A falta desses reparos poderia ocasionar em danos contra a segurança dos mais de 1.200 funcionários que trabalham no local. Em uma reunião da Comissão de Trabalhadores (CT) com a CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, indica que a companhia busca uma nova sede para economizar e garantir a segurança e bem estar de todos os funcionários.

Segundo relatórios de 2014, os edifícios no qual a TAP possui sua sede estão com hipotecas avaliadas em 146 milhões de euros. Atualmente esse valor está aproximado em 92,5 milhões de euros, devido aos reparos que precisam ser realizados.

A Comissão dos Trabalhadores (CT) quem realizou anteriormente as inspeções na sede da TAP, e fez alguns alertas sobre a mudança para um prédio diferente.

“Muitos trabalhadores optaram por morar fora de Lisboa, precisamente por trabalharem no aeroporto e terem estacionamento gratuito, além de que mesmo morando dentro de Lisboa a viagem de carro é muito mais rápida do que a viagem em transportes públicos”.

“Referimos também a questão do refeitório, foi-nos dito que teria de ser dada uma compensação aos trabalhadores caso não exista um sítio onde os mesmos possam tomar a sua refeição dentro dos moldes agora praticados, esta não seria uma boa mudança uma vez que se está a separar trabalhadores, e a retirar regalias”.

Contudo, a TAP pode optar por executar a garantia de dois empréstimos, que engloba 29 edifícios da sede da empresa no Aeroporto Humberto Delgado. Desta forma, a companhia não precisa pagar pela sua dívida, ao dar os terrenos ocupados pela empresa desde 1971 como pagamento.

Por outro lado, a TAP terá que adquirir ou arrendar outro local para a sua sede, algo que pode resultar em despesas extras para a companhia aéreo portuguesa. Por este motivo, e também a diminuição do patrimônio da empresa, esta decisão está causando opiniões contrárias.

 

Com informações do Portal ECO.